DA INDEPENDÊNCIA À INTERFERÊNCIA E MORTE DA DEMOCRACIA

Fotomontagem do Blog sobre charge  produzida por Bessinha e reprodução

Por Valentin Ferreira

Sé ha quase dois séculos o Brasil se livrou da interferência e domínio de um país estrangeiro, vemos hoje nosso país sendo entregue aos interesses de outro/s país/es.

Quanto o blog concluía este  pequeno texto  vimos  uma matéria em Carta Capital a confirmar o epicentro do terremoto político que deixa em escombros a vida social e política do Brasil, e principalmente nossa  democracia.

Abaixo destaco pequena parte da imperdível matéria feita por  André Barrocal  na edição deste final de semana.

“No fim de 2012, Manolo Pichardo, político da República Dominicana, participou de uma sinistra reunião na suíte de um hotel em Atlanta, nos Estados Unidos. Alguns ex-presidentes latino-americanos de inclinação de centro ou direita discutiram como varrer adversários progressistas do mapa”.

 (…)

“E que “plano” é esse, afinal? Desmoralizar líderes progressistas via mídia com acusações de corrupção, inclusive a familiares, e ataques ao comportamento privado deles. Depois, converter os escândalos em processos judiciais que acabem com a carreira da turma.

A estratégia parece bem sucedida, a julgar pelo destino de Fernando Lugo no Paraguai em 2012 e de Dilma Rousseff por aqui em 2016, além das encrencas de Cristina Kirchner na Argentina, de Rafael Correa no Equador e, claro, de Lula.”

 

Está claro que está em marcha a execução de um plano que objetiva   submeter nosso País aos interesses e mandos de outro ou outros países. Daí toda arquitetura de uma operação midiática-policial-judicial para levar a cabo tal plano. Desde as marchas de 2013 até os dias atuais, as peças vão se encaixando nessa construção.

Apurar e punir corrupção é dever dos órgãos de Estado. E ninguém é contra. Mas não  como fazem os áulicos  do moralismo de esgoto verde-amarelo. Aos amigos a complacência e aos inimigos a letra frita da lei. Mesmo aquelas feitas em microondas recheadas de “convicção”

Oxalá que a  apatia do povo seja na verdade um represamento das decepções dos que acreditaram que o golpe contra a democracia com as promessas  que  os levaria do inferno construído pela mídia ao céu que nem eles acreditaram.

Que os próximos episódios desta triste fase de nossa história, principalmente  o julgamento do ex-presidente Lula, possam trazer à razão às classes exploradas  a tempo de impedir que um País tão rico e poderoso quanto o nosso, seja totalmente entregue de mãos beijadas pelo serviço sujo dos lesa pátria  e traidores do povo.