A 30 KM/S. UM RÁPIDO PASSEIO PELO ESPAÇO

Por  Valentin Ferreira

Pela gravidade, estamos todos “grudados” no Planeta Terra, nossa casa espacial que viaja em sua  órbita (pista) em torno do sol a uma velocidade de 30 km/s ou 107.200 km por hora. Vamos nessa!

A Lua, nosso satélite natural, vista no cantinho da imagem da Terra, completa sua órbita em torno da terra a uma velocidade de 1 km/s. É o corpo celeste mais próximo de nós.

Nosso planeta ao lado de outros sete segue o astro maior, o Sol, este puxando seus parceiros de “voo” a uma velocidade 251 km/s ou 900.000 km/h.

Dentro da Via Láctea, nossa Galáxia, que passeia pelo cosmo a uma velocidade de 550 km/s (vige)  está nosso sistema solar puxando seus planetas, (e nós todos, grudados em nossa Terra). Nosso Sistema Solar  para completar sua trajetória orbital (em vermelho) demora aproximadamente 225 milhões de ano. Pois é. Cada novo dia, estamos em um novo lugar, numa viagem que para muitos de nós dura em torno de 70/80 anos. Num simples cálculo, daria 3.000.000 ( três milhões) de gerações humanas em apenas uma volta dentro da imensa espiral.

Resumindo:

  • a) Nosso “veículo”, a Terra, viaja a 30 km/s
  •  b) O Sol puxa seus oito planetas a 251 km/s
  •  c) E nossa Galáxia em disparada a 550 km/s, (e nós no meio!)

Somos tão pequenos diante de tanta gradeza!

E tem gente que se acha  dona do mundo.

Em 2014, os astrônomos usaram o telescópio espacial Hubble para encontrar esse enorme aglomerado de galáxias que contém a massa de 3 milhões de bilhões de vezes a massa do Sol, o nome dele, não podia ser outro, foi chamado de El Gordo. Seu nome oficial é ACT-CLJ0102-4915, ele é o maior, o mais quente e aglomerado de galáxias mais brilhante nos raios-X já descoberto no universo distante.

Os aglomerados de galáxias são os maiores objetos no universo que são unidos pela gravidade. Eles se formam no decorrer de bilhões de anos, à medida que grupos menores de galáxias vagarosamente se aglomeram. Em 2012, observações feitas com o VLT do ESO, com o Observatório de Raios-X Chandra da NASA e com o Atacama Cosmology Observatory, mostraram que o El Gordo na verdade é composto por dois aglomerados de galáxias em colisão a milhões de quilômetros por hora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *