LIÇÕES DA INCONFIDÊNCIA

Por Iurutaí Puertas –


Tiradentes sendo preso no Rio de Janeiro – Foto: Reprodução de pintura de Antônio Parreiras (1914)

Hoje completam-se 225 anos da execução pública, por enforcamento – e posterior esquartejamento do corpo – do Alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Para a maioria dos brasileiros só mais um feriadão, com os engarrafamentos de praxe noticiados pelas Tvs, e a oportunidade de sair da rotina de trabalho/estudo alienados e alienantes. Cabe, contudo, lembrarmo-nos das razões que levaram esta data ao status de Feriado Nacional. Continue lendo “LIÇÕES DA INCONFIDÊNCIA”

CORA CORALINA: A MULHER DE “TODAS AS VIDAS”

Nascida na Cidade de Goiás em 20 de agosto de 1889, Cora Coralina, só teve seu primeiro livro publicado aos 76 anos

Por Rafael Tatemoto

“Beco da minha terra…/ Amo tua paisagem triste, ausente e suja / Teu ar sombrio. Tua velha umidade andrajosa / Teu lodo negro, esverdeado, escorregadio / E a réstia de sol que ao meio-dia desce, fugidia, / e semeia polmes dourados no teu lixo pobre, / calçando de ouro a sandália velha, / jogada no teu monturo”.Parte inicial do poema Becos de Goiás, estes versos publicados em 1975 integram o primeiro livro de Cora Coralina, pseudônimo de Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas.A obra, chamada Poema dos Becos de Goiás e Estórias Mais, já indicava o estilo poético de Coralina, pautado pela vida cotidiana do interior brasileiro, principalmente de seu estado natal.Nascida na Cidade de Goiás em 20 de agosto de 1889, Cora Coralina, só teve seu primeiro, portanto, publicado aos 76 anos de idade. Escrevia, porém, desde os 14 anos.Doceira de profissão, viveu em São Paulo acompanhando o marido, o advogado Cantídio Tolentino de Figueiredo Bretas. Com a morte de Bretas, passou a vender livros. Instalada no interior do estado, na cidade de Penapólis, começou a produzir e vender linguiças. Em 1956, retorna a Goiás.
Continue lendo “CORA CORALINA: A MULHER DE “TODAS AS VIDAS””

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS – ONU

Preâmbulo

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo…

Considerando que o desprezo e o desrespeito pelos direitos humanos resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os todos gozem de liberdade de palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da necessidade foi proclamado como a mais alta aspiração do ser humano comum, Continue lendo “DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS – ONU”