“HOPPE VALLEY”: ONDE AS MULHERES FAZEM A DIFERENÇA

Postado por Valentin Ferreiraimagem:Hallmark Channel

 “Quando chama  o coração” When Calls The Heart , série  produzida pela Hallmark Channel lançada em 2013  com 4 temporadas exibidas pela Netflix,  é  uma história é baseada no livro de mesmo nome de Janette Oke, e tem um filme que precede a série, mas não tem relação com esta. A quinta temporada tem estréia prevista para fevereiro próximo.
Valores como  Solidariedade, Gentileza, Comprometimento com a Comunidade são as bases que entrelaçam as vidas daquelas pessoas.
A série conta a história de Elizabeth Thatcher (Erin Krakon) uma professora vinda de família rica que se muda para a pequena cidade de Coal Valley, depois Hoppe Valley na fronteira do Canadá, ao receber uma proposta de trabalho. A moça é abrigada por Abigail Stanton (Lori Loughin), umas das viúvas da cidade após o acidente que ocorreu na minha e matou 47 homens. Além delas temos também o Delegado Jack Thorton (Daniel Lissing) que foi mandado para a cidade a pedido do pai de Elizabeth, o que não o deixou muito feliz. Continue lendo ““HOPPE VALLEY”: ONDE AS MULHERES FAZEM A DIFERENÇA”

SOMOS O QUE FAZEMOS, NÃO O QUE DIZEMOS

Postado por Valentin FerreiraMulher com dois rostos

Por  A amenteemaravilhosa

Pensar que suas crenças e seus valores o definem é algo bom se seus atos vão pelo mesmo caminho. Porém, em certas ocasiões suas palavras e atos tomam direções diferentes, e tudo isso acaba ficando só nas boas intenções. Nós somos o que fazemos, e não o que dizemos. Pense nisso.

Não adianta nada se vangloriar pelo fato de ser uma boa pessoa, se depois não ajudo os outros. Não importa o quão inteligente alguém afirma ser, se depois não faz nada criativo. Gabar-se daquilo que acreditamos ser é muito fácil, o difícil é tornar isso realidade. A pergunta indispensável é: por que fazemos isso? Qual o motivo por trás daquilo que afirmamos, porém não demonstramos?

Continue lendo “SOMOS O QUE FAZEMOS, NÃO O QUE DIZEMOS”

PROJETO ESCOLA SEM PARTIDO É ARQUIVADO NO SENADO

Postado por Valentin Ferreira

Do Brasil 247

A pedido do autor, o senador Magno Malta (PR-ES), o Projeto de Lei do Senado 193/2016, que pretendia incluir o programa Escola sem Partido na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, foi retirado em definitivo e, por isso, arquivado; proposta havia recebido relatório recomendando a rejeição pelo senador Cristovam Buarque (PPS-DF); a votação de um projeto com o mesmo cunho provocou tumulto na Câmara Municipal de São Paulo; guardas civis dividiam as galerias do plenário durante a votação, que acabou suspensa após ação dos vereadores da Comissão de Educação da Câmara, que não deram quórum para a discussão prosseguir

O BRASIL ATACA PROFESSOR, COMPRA VOTO DE DEPUTADO E FAZ SELFIE COM BANDIDO…

Postado por Valentin Ferreira

Manifestante ferido durante protesto em Brasília. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters… –

Por Leonardo Sakamoto em seu Blog

Quando alguém perguntar qual o legado deixado por este momento tumultuado pelo qual passa o Brasil, poderemos responder que não foi a moralização da coisa pública. Mas, sim, a criação de um Estado autoritário, inimigo da liberdade de pensamento.

Parte significativa do país acreditou que o (necessário) combate à corrupção iria fortalecer nossas instituições, levando-nos a um patamar mais alto de civilização. Claro que houve inegáveis avanços, contudo, paralelamente, práticas totalitárias, que adotam o abuso de autoridade e a arbitrariedade como modus operandi, ganharam corpo. Ao mesmo tempo, tivemos um esgarçamento institucional, transformando a política em um grande ”salve-se quem puder”. Isso sem contar o empoderamento de um exército de malucos violentos, incapazes de viver em sociedade, que contam com uma visão distorcida de Justiça.

Lei toda matéria: Aqui

“MÍDIAS SOCIAIS FAVORECERAM A IMBECILIDADE”, diz em entrevista Mário Sergio Cortella

Postado por Valentin FerreiraCortella.jpgImagem:Wikipedia/CPFL Cultura/T.Ferro

Cortella: ‘Para quem está com o martelo na mão, tudo é prego’

Por Deutsche Welle —Via Carta Capital / Renata Martins
Cortella comenta a cultura do ódio que se disseminou pelo país: na internet todos têm uma opinião, mas poucos têm fundamentos para ancorá-la.

A instantaneidade e conectividade das mídias sociais fomentam um ambiente hostil em que todos têm “alguma opinião sobre algo, mas poucos têm fundamentos refletidos e ponderados para iluminar as opiniões”, diz o filósofo e professor universitário Mario Sergio Cortella, em entrevista à DW Brasil.

Cortella é uma figura influente na sociedade brasileira como palestrante, debatedor e comentarista de rádio. Com mais de um milhão de livros vendidos entre seus 33 títulos lançados, Cortella traduz à linguagem coloquial e adapta à realidade atual do Brasil complexos temas filosóficos, existenciais e políticos como “se você não existisse, que falta faria?” ou “o caos político brasileiro”. Nesta entrevista, ele analisa como a cultura do ódio é alimentada por “analfabetos políticos”.

Abaixo a Entrevista concedida à Deutsche Welle

Continue lendo ““MÍDIAS SOCIAIS FAVORECERAM A IMBECILIDADE”, diz em entrevista Mário Sergio Cortella”

LAVA JATO TORRA R$ 140 BI PARA RECUPERAR R$ 650 MI

Postado por Valentin Ferreira

Nesta quinta-feira (7), o Ministério Público Federal (MPF) fez um grande estardalhaço, com direito a fotos posadas do procurador Deltan Dallagnol para a mídia, sob o pretexto de “devolver à Petrobras” R$ 653,9 milhões desviados da estatal pelo esquema investigado na Operação Lava Jato.

Os valores devolvidos teriam sido obtidos através de 36 acordos de colaboração premiada e cinco de leniência firmados com empresas. Entre os acordos, Dallagnol citou as delações relativas à Odebrecht, Braskem, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez.

Segundo estudo elaborado pelo Grupo de Economia & Soluções Ambientais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), só em 2015 os impactos diretos e indiretos da Operação Lava Jato na economia reduziram o PIB brasileiro em R$ 142,6 bilhões, o equivalente a uma retração de 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto).

Leia Matéria Completa: Blogdacidadania