LULA É VÍTIMA DO “ATIVISMO JUDICIAL”, Diz Eugênio Aragão

Postado por Valentim Ferreira

Integrante do Ministério Público Federal de 1987 a 2017, Aragão analisa papel das instituições no cenário atual / Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ex-ministro da presidenta Dilma Rousseff considera que julgamento será importante para defender democracia no país

Por Cristiane Sampaio / do Brasil de Fato

Um dos atores mais atentos às questões que circundam o ex-presidente Lula, o jurista Eugênio Aragão acompanha com indignação o “ativismo judicial” que considera ser um dos algozes do petista. Para ele, o contexto adverso faz do julgamento do próximo dia 24 apenas “uma pedra no caminho”, e não o fim da jornada, utilizando como referência o poeta Carlos Drummond de Andrade.

Integrante do Ministério Público Federal de 1987 a 2017 e ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, Aragão considera que a data será importante para marcar não só a defesa do ex-presidente, mas também da democracia e do futuro do país. O Brasil de Fato conversou com exclusividade com o ex-ministro. Confira a entrevista 

Continue lendo “LULA É VÍTIMA DO “ATIVISMO JUDICIAL”, Diz Eugênio Aragão”

COMO O JUDICIÁRIO TORNOU-SE INSTRUMENTO DE INSEGURANÇA JURÍDICA

Postado por Valentin FerreiraA ministra Carmen Lúcia no CNJElza Fiuza/ Agência Brasil/Fotos Públicas

Por Roberto Amaral — Carta Capital
Qual a segurança de que ainda pode dispor o homem comum do povo se a Justiça só tem olhos para ver os interesses dos donos do poder?

Até quando o corporativismo e o omisso Conselho Nacional de Justiça assistirão, impávidos embora comprometidos, a auto-degradação do Poder Judiciário, atingido em todas as suas instâncias, do piso à alta Corte?

Essa degradação é grave, pois ameaça a ordem constitucional-democrática e ameaça a prestação jurisdicional da Justiça, de que dependem os mais fracos, os mais pobres. Continue lendo “COMO O JUDICIÁRIO TORNOU-SE INSTRUMENTO DE INSEGURANÇA JURÍDICA”

A DITADURA DO PODER JUDICIÁRIO ANUNCIA QUE CHEGOU PARA FICAR

Postado por Valentin Ferreira / do Justificando/Carta Capítal

A pior ditadura é a ditadura do Poder Judiciário. Contra ela, não há a quem recorrer.... Frase de Rui Barbosa.

A Ditadura do Poder Judiciário anuncia que chegou para ficar

Por Brenno TardellI (*)

 

No Brasil de 2017, um juiz de direito pode “suspender” as atividades de uma organização da sociedade civil e também um instituto protagonista da macropolítica brasileira sem maiores preocupações. Isso aconteceu em Brasília, na decisão do juiz Ricardo Augusto Soares Leite, o qual numa canetada determinou a suspensão do Instituto Lula, coração das decisões do Partido dos Trabalhadores nos últimos anos e, obviamente, reduto político do ex-presidente acusado por tantas vezes por essa mesma justiça. Continue lendo “A DITADURA DO PODER JUDICIÁRIO ANUNCIA QUE CHEGOU PARA FICAR”

BRASIL: ACORDO REMETE À CONCILIAÇÃO, POR EDUARDO RAMOS

Por Valentin Ferreira /

Resultado de imagem para jobim e lula

Acordo remete à conciliação

por Eduardo Ramos /Jornal GGN

Acordo remete à conciliação. A palavra barafunda nos remete a caos, confusão, abismo… Se só um acordo nacional nos resgata disso, então os que rejeitam a política de conciliação de Lula teriam, ao menos para a redemocratização do país, sem a qual nada virá de bom, que se render a essa necessidade.

E por mais que muitos de nós estejam cansados de paliativos, de lapsos de tempo no Brasil em que “colocamos band-aid para tampar tumores”, se a saída mais radical desejada por muitos, um confronto aberto que expusesse de vez todas as contradições seculares, é inviável, até por falta de “povo suficiente disposto a bancar essa guerra, então, NÃO RESTA OPÇÃO, torna-se uma questão de RACIONALIDADE e de SOBREVIVÊNCIA. Porque a verdade é que se Lula não fez tudo o que desejávamos, alguns de nós, devido à tal da “conciliação”, o fato é que ele trouxe muitos “anéis” para as mãos dos miseráveis e pobres, e o golpe não só arranca esses anéis, como se torna ameaça real de amputação dos dedos.

Continue lendo “BRASIL: ACORDO REMETE À CONCILIAÇÃO, POR EDUARDO RAMOS”