COMO O “COMPORTAMENTO DE MANADA” PERMITE MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA POR FAKES

Postado por Valentin  FerreiraIlustração reproduz efeito de comportamento de manadaIlustração: Kako Abraham/BBC 

A estratégia que vem sendo usada por perfis falsos no Brasil e no mundo para influenciar a opinião pública nas redes sociais se aproveita de uma característica psicológica conhecida como “comportamento de manada”.

O conceito faz referência ao comportamento de animais que se juntam para se proteger ou fugir de um predador. Aplicado aos seres humanos, refere-se à tendência das pessoas de seguirem um grande influenciador ou mesmo um determinado grupo, sem que a decisão passe, necessariamente, por uma reflexão individual. Continue lendo “COMO O “COMPORTAMENTO DE MANADA” PERMITE MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA POR FAKES”

DESPERDÍCIO, TEU NOME É BRASIL !

Postado por Valentin  FerreiraPrejuízos abissais são causados pela mais absoluta vaidade na troca desbragada e desregrada de muitos.

Quantas pessoas do mais alto calibre intelectual e técnico são postas ao largo.

Por Eleonora Santa Rosa* / Dom Total

Um dos indicadores do nosso subdesenvolvimento é o desperdício de talentos. Um estupor o que acontece, particularmente no âmbito do serviço público. Quantas pessoas do mais alto calibre intelectual e técnico são postas ao largo quando da mudança de administração, “alocadas” literalmente nos corredores, às portas dos “almoxarifados”, perseguidas, desconsideradas e punidas pelas qualidades que detêm.

Prejuízos abissais são causados pela mais absoluta vaidade na troca desbragada e desregrada de muitos como ilustração direta do poder de mudar tudo e todos, sem antes sobrepesar as consequências da descontinuidade dos processos, da interrupção de pesquisas e de trabalhos de alta complexidade, de inteligência estratégica etc. Continue lendo “DESPERDÍCIO, TEU NOME É BRASIL !”

SOLTARAM OS BICHOS, NÃO RECLAMEM

Postado por Valentin Ferreira laertefrank

POR  / TIJOLAÇO

A irreverência carioca incorporou o provérbio português de que “Deus não da asa a cobra”.

Deram.

Por dinheiro e por política que, afinal, é dinheiro.

Como a comunicação é império privado onde não deveria ser – tem lá na Constituição que as emissoras, concessão pública, devem preferir “finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas”, mas preferem é dinheiro fácil com o “mundo cão” – fomos assistindo ela se encher de personagens “solta o dedo em cima deles” ou até batendo de porrete na mesa e de pseudo humoristas onde gentileza – quando há – é só no nome. Continue lendo “SOLTARAM OS BICHOS, NÃO RECLAMEM”

ENTRE OS MAIORES PAÍSES, UM CORRE O RISCO DE SE TORNAR O “CORNO DA RUA”

Postado por Valentin Ferreira
ARQUIVO FUP

plataforma do pre-sal.jpg

Com tecnologia própria, país descobriu a maior província petrolífera do mundo nos últimos 50 anos

Depois de quatro anos de ataque coordenado, ideológico e canalha, de inimigos internos e externos, o país precisa, mais do que nunca, negociar uma frente ampla, nacionalista e antifascista de defesa da soberania e da democracia
por Mauro Santayana/da Rede Brasil Atual

Se, como dizia Von Klausewitz, a guerra é a continuação da política por outros meios, na encarniçada guerra em que se transformou a política, a missão do jornalismo deveria ser a de escrever a história enquanto ocorre e acontece. Isso se a mídia não estivesse, na maioria das vezes, a serviço de seus próprios interesses e de projetos de poder mendazes, hipócritas e manipuladores. Continue lendo “ENTRE OS MAIORES PAÍSES, UM CORRE O RISCO DE SE TORNAR O “CORNO DA RUA””

ESTAR PREPARADOS É TUDO, Por Mino Carta

Postado por Valentin Ferreira
Ian Dagnall Computing/Alamy Stock Photo

Congresso NacionalNo dia do golpe, a alegria dos representantes do povo

Por Mino Carta / Carta Capital
Que farão os golpistas de 2016, ou seja, os próprios poderes da República, se no pleito do ano próximo seu candidato ideal não emplacar?

Permito-me convocar leitoras/res, que sei dotados de neurônios em plena atividade, ao contrário da maioria de patrícias/os, para a Operação Misericórdia pelo Brasil.

Trata-se de esclarecer, além de mulheres ou maridos, filhos, pais, eventuais funcionários da casa, namoradas/namorados, parentes próximos e distantes, amigas/os, conhecidas/os, e quantos mais forem alcançáveis, a respeito do calamitoso futuro à espreita em meio à calamidade que a maioria dos brasileiros parece não perceber, a despeito de sua condição de vítima.

(…)

“Há uma providência especial até na queda de um passarinho – dizia Shakespeare –, estar preparado é tudo.”

Matéria completa:Aqui