BREVE DICIONÁRIO DE UM TEMPO ESTRANHO

Por: Valentin Ferreira

Foto: Ligamagic

BREVE DICIONÁRIO DE UM TEMPO ESTRANHO

Democracia: Calçados feitos sob medida para alguns poucos que conduzem a maioria por uma trilha estreita e pedregosa, onde a cidadania caminha descalça e às escuras.

Esperança: Líquido volátil e raro, sujeito a escassez. Disponível principalmente no seio do povo sem poder. Resistente e imune à contaminação pelo ar exalado das narinas dominadoras.

Corrupção: Vírus potente usando como arma química na ação dos poderosos capitalistas ou não, normalmente   para se apoderar ou beneficiar-se da burra do Estado. Também pode ser usado e disseminado em larga escala de tempos em tempos, para justificar a tomada de poder, pelos próprios donos do poder.

Solidariedade: Erva medicinal que brota em terreno fértil, em pequenos cantos. Cresce com vigor em áreas simples e hortas das periferias onde é usada para curar a maioria das enfermidades. Governos autoritários a vê como erva daninha, justificando que, usada de forma continua pode causar efeitos colaterais. Governos com esse perfil, pode até regulamentar, objetivando aplicação em doses mínimas.

Golpe: Arma de guerra, quase convencional, usada por grupos de poder, com objetivo de submeter o povo aos seus caprichos. Se usada em toda capacidade destrutiva, pode levar a guerra civil de consequências imprevisíveis.

Direito: Alimento essencial para sobrevivência da espécie humana. É distribuído em porções generosas aos grandes e poderosos e em quantidade mínima e regulada ao povo. Seus estoques regulatórios chegam a deterioração em virtude da má distribuição.

Liberdade de expressão: Instrumentos musicais utilizados por uma refinada orquestra limitada ao número de participantes. Com partitura única, executam a mesma melodia. Aquela que entorpece o povo e o submete à mesma dança. Por serem sensíveis às mudanças,quando submetidos a reparos, a tudo resistem.

Justiça: Tipo de roupa sofisticada usada por alguns poucos, sem que seus usuários tenham a menor preocupação com maioria pelada.

Poder: Estado de ansiedade incontrolável implantado na alma de pessoas que vão durar para sempre.

Amor: Para alguns, ampulheta sem conteúdo. Para outros, “substantivo feminino”, como mundo.

Ódio: Tipo de enzima que se fixa no cérebro dos descerebrados. Com certa frequência, são vendidas em embalagens subliminares pelos meios de comunicação. Alta dosagem em indivíduos mal informados podem levar à violência em suas mais diversas faces.

Pobres: Peças produzidas em série, usadas nas grandes máquinas de produzir riquezas, de propriedade dos homens que vão durar para sempre. Normalmente são descartadas antes do prazo de validade.

Rico: Dono das maquinas de produzir riquezas. Faz  check-up todos os meses para  se assegurar que vai durar para sempre.

Por Valentin Ferreira

 

2 respostas para “BREVE DICIONÁRIO DE UM TEMPO ESTRANHO”

Os comentários estão desativados.