COM MAIS PROCURA E SEM VAGAS, DESEMPREGO MANTÉM NÍVEL RECORDE

Por: Rede Brasil Atual

desemprego.jpg

Total de ocupados, estimado em 89,238 milhões, caiu 0,7% ante janeiro, com menos 615 mil pessoas
País tem 14 milhões de desempregados, 2,6 milhões a mais do que há um ano. Nesse período, são menos 1,4 milhão de ocupados, com redução de 1,2 milhão de vagas com carteira

A taxa de desemprego ficou em 13,6% no trimestre encerrado em abril, segundo o IBGE, um ponto acima de janeiro. A estimativa é de 14,048 milhões de desempregados no país, 1,127 milhão a mais em apenas um trimestre (crescimento de 8,7%) e 2,636 milhões a mais em um ano (23,1%) – em abril do ano passado, a taxa estava em 11,2%. Os dados divulgados hoje (31) mostram maior procura por um posto de trabalho, em um mercado que não abre vagas.

O total de ocupados, estimado em 89,238 milhões, caiu 0,7% ante janeiro, com menos 615 mil pessoas, e 1,5% em 12 meses – menos 1,395 milhão.  Essa redução atinge também o mercado formal no setor privado, que agora está com 33,286 milhões de trabalhadores. Perdeu 572 mil vagas com carteira assinada em três meses (-1,7%) e 1,243 milhão em um ano (-3,6%). Os empregados sem carteira aumentaram 3,1% nesse período (mais 306 mil), para um total de 10,258 milhões.

Estimado em R$ 2.107, o rendimento médio ficou estável, segundo o IBGE, em comparação com o trimestre encerrado em janeiro (R$ 2.095) e também em relação a abril do ano passado (R$ 2.052). A massa de rendimentos somou R$ 183,261 bilhões, também com estabilidade nas duas bases de comparação.

Entre os setores, a indústria ganha 204 mil vagas em três meses (1,8%), mas perde 220 mil em um ano (-1,9%). A construção tem quedas de 4,1% (menos 291 mil postos de trabalho) e 8,7% (menos 646 mil), respectivamente. Comércio/reparação de veículos cai 2,6% (menos 451 mil) e 1% (menos 174 mil). Serviços de alojamento e alimentação registram altas de 3% (mais 150 mil vagas) e de 12,1% (548 mil).

Fonte: Rede Brasil Atual