ENTENDA POR QUE NÃO SE DEVE ELOGIAR A INTELIGÊNCIA DOS FILHOS

Por: sbie.com.br

A palavra elogio só suscita coisas boas, certo? Pois nem sempre! Realmente o elogio tem o poder de elevar a autoestima, aumentar a confiança e massagear o ego de seus alvos, no entanto, elogiar excessivamente, na hora e do jeito errados, pode ser o caminho mais curto para o fracasso, especialmente na vida das crianças.

Sabia que cada tipo de elogio que a criança recebe durante sua formação tem um impacto diferente em seu desenvolvimento emocional? Então continue lendo o nosso artigo e descubra por que não se deve elogiar a inteligência dos filhos ilimitadamente. Vamos lá?

Como é que os elogios podem limitar?

Você já deve ter conhecido pais super orgulhosos das proezas precoces de seus filhos, não é verdade? Quem sabe você não seja um desses que enchem o peito para dizer que o filhão é inteligente demais, bom em português, esperto nas situações diárias, excelente em raciocínio lógico, criativo para resolver problemas, dono de notas altas e por aí vai…

Realmente não haveria nada de mal em reconhecer que seu filho é um garoto inteligente, não fosse o fato de que esses elogios acabarem por limitá-lo. Quando as crianças ouvem que são boas demais em determinadas coisas, sua própria consciência faz com que dividam o mundo em assuntos que elas dominam e assuntos que não dominam, desafios que estão preparados para enfrentar e desafios que não devem sequer ser aceitos.

Nesse caso, uma criança que poderia ir muito mais longe a partir de novas descobertas, acaba se restringindo unicamente a assuntos nos quais já é boa o suficiente. E você não quer isso para seu pimpolho, quer?

Verdade que excessos podem frustrar?

Por receber elogios exagerados, a criança passa a acreditar em si mesma: ponto extremamente positivo. O problema é que, quando o pequeno percebe que sua inteligência não é infalível, notando que, mesmo com muita capacidade intelectual, não conseguirá resolver tudo sempre, sua autoestima sofre um forte baque. Aí a frustração é simplesmente inevitável.

Nesse contexto, o ideal é que a criança saiba, sim, do que é capaz, mas que tenha também a devida consciência de que todos estão suscetíveis a erros. Dessa maneira a frustração não causará males tão significativos.

E rótulos podem se transformar em depressão?

Quando, na infância, a criança é rotulada como sendo a super inteligente, perfeitinha e insuperável — muitas vezes pelos próprios pais —, cresce pressionada a ser tudo aquilo que as outras pessoas querem, acreditam e esperam que ela se torne. Um baita peso nas costas de um ser ainda em formação, não concorda?

Nesse caso, se essas altas expectativas acabam por não se cumprir, os pequenos tendem a se tornar adultos infelizes e cronicamente insatisfeitos com a própria trajetória, que, desde o princípio, foi traçada por outrem.

Mas então não devo elogiar meu filho?

Calma lá! Não confunda as coisas! Os elogios podem ser, sim, muito positivos, desde que feitos da maneira certa. Assim, prefira elogiar as atitudes do que as características natas. Em vez de dizer que a criança é inteligente, parabenize-a pelo esforço. Dessa forma, ela provavelmente vai continuar se esforçando para se superar. Elogiar a inteligência, por outro lado, pode fazer com que haja uma acomodação.

Não vê sentido nisso? Pois saiba que o resultado de um teste realizado pela Universidade de Stanford comprova tudo isso e um pouco mais. Na pesquisa, aproximadamente 400 crianças tiveram que montar um quebra-cabeças e, ao final, parte do grupo foi elogiada pelo esforço e a outra parte foi elogiada pela inteligência. Na segunda etapa, as crianças poderiam escolher um novo desafio. As que foram elogiadas pela inteligência preferiram continuar em sua zona de conforto, realizando atividades muito semelhantes à primeira. Já quem foi elogiado pelo esforço escolheu novos desafios. Isso não é revelador?

E você, o que pensa sobre esse assunto? Tem o hábito de elogiar seus filhos? Comente aqui e compartilhe suas opiniões e experiências conosco!