DÁ UM PULINHO PARA FORA DO AQUÁRIO

Por Ana Roxo /Nocaute

Por Ana Roxo

A gente vai fazer uma distinção entre o que é natural e o que é naturalizado. Natural num ser humano são as coisas que nascem naturalmente com ele. Essencial, intrínseco, estou usando palavras difíceis hoje. Intrínseco que é próprio da essência, é essencial. No entanto, o ser humano não é um ser natural. Ele é um ser social, um ser cultural, um ser político.

Como que a gente fala de coisas que são naturais quando a gente não tem mais além do que é essencial, biológico, como necessidade de comer, de se reproduzir, de respirar, como a gente pode falar de coisas naturais? Como a gente pode ouvir frases como: é natural a desigualdade. Ou, o papel da mulher na casa é natural. Como a gente pode falar disso?

Então, a gente tem que começar a diferenciar o que é natural e o que é naturalizado por uma cultura e por uma ideologia. Porque isso tudo é ideologia. Lembra que a gente tem mania de chamar ideologia só o que é dos outros, mas a gente está imerso numa ideologia. E todas essas ideologias acabam naturalizando desigualdades, naturalizando preconceitos, naturalizando discrepâncias de convívio e de conduta.

Acabam dificultando a transformação dessas condutas, porque tem o argumento de que isso é natural. Isso sempre foi assim. Sempre existiu ricos e pobres. Isso é natural. Não, não é natural. Isso é social, isso é cultural, isso é ideológico.

Se o ser humano é criado numa cultura machista, competitiva, desigual, ele vai naturalizar isso. Porque isso é a experiência que ele tem do mundo.

Um peixe que está no aquário, ele acha que o aquário é o mar. Ele não sabe que ele está num aquário, ele tem que pular para fora do aquário, ele tem que se arriscar a olhar e ver olha eu estou no aquário. Essa é a jogada difícil da conscientização política ou cultural ou de sair de uma cegueira de um racismo, de uma cegueira de privilégio.

Você tem que ver porque você está num aquário e sair do aquário é muito difícil.

O neoliberalismo é o nosso aquário. Dá um pulinho fora dele. Tem um mar tão lindo lá fora. Um mar de possibilidades para fora disso.

A gente precisa começar a enxergar para fora do aquário.

Uma resposta para “DÁ UM PULINHO PARA FORA DO AQUÁRIO”

  1. Belíssima análise Valentin. Muitas pessoas sofrem por enxergar esta realidade e não conseguir mudá-la. Chega de estarmos presos ao aquário neoliberal. Alguns pulos de vez em quando pra vermos além disso fariam muito bem ao povo brasileiro e podemos conseguir grandes saltos através da educação. Não é à toa que estão tentando tirar a liberdade de cátedra de nós professores, através do projeto escola sem partido. Fiquemos atentos ou então nem pulinhos poderemos dar. Abraço

Os comentários estão desativados.