SÃO JOÃO: A HISTÓRIA DO ÚLTIMO PROFETA

Por Valentin Ferreira

Imagem relacionada

Nos céus os fogos de artifício anunciam mais uma festa junina.

Cá embaixo, famílias reunidas em torno de fogueira, com comes e bebes apropriados à ocasião, pouco ou quase nada sabe sobre o “santo”

Mas, o “tal” de João, quem foi?

Recorremos aos registros históricos.

“João Batista, na bíblia,  está presente nos quatro evangelhos. Ele foi o profeta considerado pelos cristãos como precursor de Jesus Cristo, o Messias. Os pais de João Batista chamavam-se Zacarias (que era sacerdote) e Isabel (que era prima de Maria, a mãe de Jesus).”

“Estando Isabel grávida, a criança mexeu em seu ventre quando Maria chegou em sua casa, para visitá-la, e estando cheia do Espírito Santo, chamou Maria de bem-aventurada. Ao escolherem o nome do menino, queriam dar a ele o mesmo de seu pai, Zacarias, mas sua mãe aceitou. Seu pai estava mudo e escreveu o nome numa tabuinha concordando e assim foi definido a escolha do nome “João”. Assim que concordou com o nome ele voltou a falar, e muitos da cidade temeram ao saber deste ocorrido. Consta nas escrituras que João Batista era cheio do Espírito Santo desde seu nascimento, seu cabelo não conheceu a navalha, e ele não ingeriu bebida forte durante toda a sua vida”.

“De acordo com as escrituras, várias passagens do evangelho indicam João Batista como precursor do Messias, pois foi ele quem batizou o povo com água para arrependimento, a fim de preparar o caminho para a chegada de Jesus, que batizaria o povo com Espírito Santo e com Fogo. João Batista já havia afirmado para o povo que não era digno de sequer levar as sandálias daquele que viria, o Cristo. Inclusive, parte do povo questionou o profeta sobre Jesus estar se “destacando” mais que ele, fazendo obras maiores, com autoridade para perdoar pecados, cura e libertação, etc e João Batista respondeu “Importa que Ele cresça e eu diminua” (Jo 3:30).”

“Foi João Batista que, um tanto relutante, batizou Jesus com água, no Rio Jordão. De acordo com o pensamento cristão, o batismo de Jesus foi realizado a fim de cumprir as promessas e para que seguissem o seu exemplo.”

SALOMÉ  PEDE A CABEÇA DE JOÃO BATISTA

“João Batista foi preso ao afirmar que era ilícito o casamento do rei Herodes com a esposa de seu próprio irmão Filipe. Muitos concordavam com João Batista mais ninguém tinha coragem de manifestar a opinião contrária a atitude do rei, de roubar a mulher do irmão. De acordo com a Palavra, o rei gostava de ouvir João Batista falar, mas havia se agradado tanto de ver Salomé (filha de sua agora esposa) dançando que a prometeu dar o que ela quisesse… ela, por sugestão da mãe, pediu a cabeça de João Batista numa bandeja de prata. O rei entristeceu-se e para não voltar com sua palavra na frente de todos (o que seria humilhante para ele), atendeu ao pedido e deu ordens para a execução. E Jesus, recebido a notícia da morte de João Batista, retirou-se em lugar afastado para orar”.

O CULTO E A TRADIÇÃO

“Da história de São João, a cultura popular europeia retirou vários símbolos, que passaram a se mesclar com os tradicionais ritos de colheita remanescentes do culto a Adônis. Um dos símbolos mais importantes é a fogueira”.

HISTÓRIA DA FOGUEIRA

“A fogueira, característica das festas de São João, tem seu fundamento na história do nascimento de João Batista. A fogueira era um sinal de Santa Isabel, mãe de São João, para Maria, mãe de Jesus. Abaixo segue uma sinopse da história, adaptada pela pesquisadora Lúcia Rangel:”

“Dizem que Santa Isabel era muito amiga de Nossa Senhora e, por isso, costumavam visitar-se. Uma tarde, Santa Isabel foi à casa de Nossa Senhora e aproveitou para contar-lhe que dentro de algum tempo nasceria seu filho, que se chamaria João Batista”.

“Nossa Senhora então perguntou:

— Como poderei saber do nascimento dessa criança?

— Vou acender uma fogueira bem grande; assim você poderá vê-la de longe e saberá que João nasceu. Mandarei também erguer um mastro com uma boneca sobre ele.

Santa Isabel cumpriu a promessa. Certo dia Nossa Senhora viu ao longe uma fumaceira e depois umas chamas bem vermelhas. Foi à casa de Isabel e encontrou o menino João Batista, que mais tarde seria um dos santos mais importantes da religião católica.” (“A lenda do surgimento da fogueira de São João”. In: RANGEL, Lúcia H. V. Festas juninas, festas de São João: origens, tradições e história. São Paulo: Publishing Solutions, 2008. p. 35).

No caso específico do Brasil, a prática do acendimento da fogueira na noite de 23 ou 24 de junho foi trazida pelos jesuítas. Tal prática foi com o tempo associada a outras tradições populares, como o forrobodó africano (espécie de dança de arrasta-pé), que daria no forró nordestino, e a quadrilha caipira, que herdou elementos de bailes populares da Europa – palavras como “anarriê”, “alavantú” e “balancê”, por exemplo, são adaptações de termos de bailes populares da França.
A fogueira é um dos elementos básicos da tradicional festa de São João

SIMPATIAS E SUPERSTIÇÕES

Em torno da fogueira de São João também se desenvolveu uma série de superstições e simpatias. Há, por exemplo, a prática do “batismo na fogueira”, que cria laços de apadrinhamento na ação de saltar as brasas de uma fogueira que se tenha acendido.

Há também a tradição de inúmeras simpatias de adivinhação, principalmente aquelas relacionadas com o casamento. Um exemplo é a simpatia de se passear descalço nas brasas da fogueira com uma faca virgem em mãos. Depois, tal faca deve ser cravada em uma bananeira. No dia seguinte, a pessoa deve tirar a faca da bananeira e observar os desenhos que a nódoa do caule terá produzido. Desses desenhos aparecerão as iniciais do nome da pessoa com quem vai se casar.

Com Informações de Info-escola