APENAS 4 ENTRE 100 BRASILEIROS GUARDAM DINHEIRO PARA A VELHICE

Por Valentin Ferreira / Via Conexão Jornailismo.

Não é de se espantar, especialmente em momento de recessão. Mas a cultura do brasileiro, mais imediatista, não ajuda a ensiná-lo a poupar para o futuro. A cada 100 brasileiros, apenas quatro separam dinheiro para o período da aposentadoria, um dos piores índices do mundo e o pior entre as Américas.

A informação foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, citando levantamento feito pelo Banco Mundial com 143 países. No ranking, apenas 11 países estão abaixo do Brasil. A falta de planejamento para a previdência atinge até os brasileiros de renda mais alta.

Em comparação com a Tailândia, que tem o PIB per capita semelhante ao do Brasil, 60% da população poupa para a velhice. O resultado do estudo relacionou a economia para a velhice ao hábito geral de poupança do país. Nas nações asiáticas, onde a maioria das pessoas tem o hábito de fazer reservas financeiras, mais pessoas poupam dinheiro para os últimos anos de vida.

Enquanto na Tailândia, 80% da população declaram ter poupado dinheiro nos últimos 12 meses, no Brasil, apenas 28% declara ter feito o mesmo.

Dica

Uma dica que o trabalhador pode tentar seguir é guardar mensalmente o equivalente ao desconto do FGTS: 8%. A vantagem de fazer esta poupança, que não chega a ser das mais elevadas, é que ele instituirá, ao seu alcance, um valor próximo do depositado pelo fundo, mas com duas vantagens adicionais: poderá sacar o dinheiro sempre que quiser – o ideal é que o faça apenas em situações emergenciais – e ainda terá um rendimento maior do que a correção do FGTS – que é inferior à poupança. Outra dica: Fuja de aplicações financeiras modernosas. Se fossem boas os bancos não ofereceriam.