A ERA DO JUÍZO INSTANTÂNEO FAZ DO JORNALISMO UM RAMO DA ARQUEOLOGIA

Por Valentin Ferreira

A justiça sumária já está cravada na alma das pessoas e é impossível desacelerar o ritmo alucinante do tempo, nem conter a explosiva expansão dos fatos em circulação: o jornalismo e a democracia sofrem com isso

Por Gabriel Prioli / Nocaute

Esse tempo sombrio que atravessamos no Brasil é o tempo da justiça sumária, definitivamente.

Ela está longe de ser um problema apenas do sistema judicial, capturado desde a eclosão da Lava-Jato por uma sanha punitivista, um ânimo justiceiro que atropela uma infinidade de garantias legais e procedimentos processuais.

A justiça sumária já está cravada na própria alma das pessoas, converteu-se em impulso mecânico, automático.

Um vídeo surge nas redes sociais, mostrando um sujeito dirigindo um veículo no contrafluxo de centenas de skatistas, e atropelando alguns deles.

Em poucos segundos, está formada uma rede nacional de opinião taxativa, pedindo cadeia ou coisa pior ao atropelador, sem a mínima dúvida sobre as suas circunstâncias.

No dia seguinte, um outro vídeo mostra o mesmo sujeito sendo atacado por skatistas e fugindo apavorado pela contramão, para livrar-se do ataque.

Registros demonstram que esse segundo vídeo foi gravado antes do outro, o dos atropelamentos.

Ele apresenta uma óbvia atenuante para o delito cometido pelo atropelador, mas, como o sujeito já foi condenado sumariamente, a maioria dos justiceiros prefere fechar os olhos para o que viu. Não reforma, nem em parte, a sentença inicial.

Assim tem sido com absolutamente tudo que entra no debate público, nesta era de difusão instantânea e vertiginosa dos fatos.

Ela relega o papel tradicional do jornalismo, de apurar e interpretar os acontecimentos, a um ramo da arqueologia, senão da paleontologia.

Quando o conjunto dos fatos é montado – ou SE ele é montado, porque o próprio jornalismo há muito se desinteressou de investigar -, ele já não serve de nada, para orientar o juízo no presente.

A opinião pública está formada e consolidada, e para não ir contra ela, a ampla maioria prefere investir contra os fatos. Prefere negá-los, fazer de conta que não existiram.

Chama-se a isso, atualmente, com pertinência, de pós-verdade e não resta dúvida de que se trata do maior problema da informação contemporânea.

Até porque não é possível desacelerar o ritmo alucinante do tempo, nem conter a explosiva expansão dos fatos em circulação.

Mas não são apenas a informação, o jornalismo, o debate público, as opções políticas e, por consequência, a democracia que ficam ameaçadas nesse quadro.

São também a ética, a consciência, o mais mínimo senso de equilíbrio e julgamento, que são as bases para a produção da efetiva justiça.

A utopia do jornalismo sempre foi a de produzir um mundo tão informado que a consciência das pessoas se expandiria ao limite, e produziria o entendimento, a cooperação e a paz.

Pois agora esse mundo superinformado existe, produz o oposto disso e põe em dúvida se o jornalismo ainda serve para alguma coisa útil.

Isso pode ser bom para Zuckerberg. Mas sepulta o legado de Gutemberg.