A ORIGEM CURIOSA DA PALAVRA “NENÉM”

Por: Mouzar Benedito /Brasil de Fato

“A palavra bebê é de origem francesa. E não significava nada, era só o apelido de um sujeito chamado Nicolas Ferry”, conta Mouzar Benedito

“A palavra Nê, em tupi significa feder, fedido. Nenê é “muito fedido”

Pequerrucho, anjinho, diabrete, filhote, pimpolho, fedelho, pupilo, rebento. Essas são algumas palavras para falar de recém-nascidos, também ditos bebês, nenês ou nenéns.

Um amigo meu mimava demais um filho. Eu não tinha nada com isso, claro. Mas ele ficava falando sobre o menino recém-nascido, como se fosse o mais bonito do mundo, o mais esperto. E isso me irritava um pouco.

Não era só eu. Incomodava outros também. Por isso, quando a gente se encontrava, sabendo que ele queria falar do filho, um outro amigo chamava o fedelho de “recém-parido”. Eu era pior, perguntava: “Como vai o fedorento?”.

Bom, vou falar de uma coisa que parece não ter relação com esse assunto.

Vocês sabem por que criança de colo é chamada de bebê e de nenê ou neném?

Vamos começar pelo bebê. Não é uma palavra de origem brasileira, é francesa. E não significava nada, era só o apelido de um sujeito chamado Nicolas Ferry. Era bem pequenininho. E derivou do apelido dele a palavra bebê com o significado que tem hoje inclusive aqui no Brasil.

Já a palavra nenê, e sua variante neném, é de origem brasileira mesmo, dos tempos da escravidão indígena. As senhoras lusitanas usavam mulheres indígenas como babás.

Criança indígena quando faz cocô é logo limpada e não fica fedendo, pois não usa cueiro, né?

Já as crianças que as brancas punham aos cuidados das escravas indígenas, se borravam e ficavam fedendo, envoltas em panos.

As índias, com nojo, falavam para as mães das crianças: “Nê… nê”. As matronas achavam que as índias estavam falando coisinhas bonitas dos seus pimpolhos fedidos, e passaram a se referir a eles como nenês… Só que a palavra Nê, em tupi significa feder, fedido. Nenê é “muito fedido”.

Assim, fedorento, na língua tupi, passou a ser como nós brasileiros chamamos “nossos” filhos. Só fiquei sabendo disso há alguns anos. E quando soube me lembrei do meu amigo que mimava o filho que eu chamava de fedorento. Era brincadeira minha, mas não é que eu estava certo?

Por: Brasil de Fato