OPERAÇÃO ABAFA, por Bernardo Mello Franco

Postado por Valentin Ferreira / da Folha SP
                                                                                  Evaristo Sá – 20.jun.2017/AFP
Brazilian Judge Luis Roberto Barroso attends a session of the Federal Supreme Court on June 20, 2017 in Brasilia. The court is considering a new arrest warrant against secluded senator Aecio Neves of the Brazilian Social Democracy Party (PSDB), who is accused of having received bribes from the owners of meat processing global giant JBS.
O ministro Luís Roberto Barroso, em sessão no STF

“Há os que não querem ficar honestos”

Na Folha hoje, Bernardo Mello Franco, aproveitando a fala do Ministro Barroso, que após a vitória de Temer na  Câmara, sentenciou: “Há os que não querem ser punidos e há um lote pior, os que não querem ficar honestos nem daqui para a frente”. coloca moldura no triste quadro em que se encontra o país.

Na medida que  Temer se fortalece e fecha o cerco sobre os Poderes da República, mais enfraquece  a Lava Jato.

Confira:

BRASÍLIA – O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, resumiu a ópera em uma frase: “A Operação Abafa é uma realidade visível e ostensiva no Brasil de hoje”.

“Há os que não querem ser punidos e há um lote pior, os que não querem ficar honestos nem daqui para a frente”, prosseguiu o ministro. “Depois da ação penal 470 [do mensalão] e de três anos de Operação Lava Jato, continuam com o mesmo modus operandi de achaque”, acrescentou.

Barroso não citou nomes, e nem precisava. Ele expôs o jogo na quinta-feira, horas depois de a Câmara negar autorização ao Supremo para processar Michel Temer.

A blindagem do presidente acusado de corrupção foi a vitória mais visível e ostensiva da Operação Abafa. Ela entrou em campo em 2014, quando a Lava Jato começou a cercar empresários, operadores e políticos de todos os grandes partidos.

A guerra teve altos e baixos, mas a investigação ganhou a maioria das batalhas travadas até aqui. Conseguiu resistir às ofensivas do PT, que fritou um ministro acusado de não “controlar” a Polícia Federal. Depois enquadrou personagens que tentaram sufocá-la, como o peemedebista Eduardo Cunha.

O desejo de parar a Lava Jato une o sistema ameaçado pela operação. No ano passado, ele investiu no impeachment de Dilma Rousseff como solução para “estancar a sangria”, nas palavras de Romero Jucá. Agora a aposta é na permanência de Temer, e a desculpa para salvá-lo é o discurso da estabilidade econômica.

Na quinta-feira, o ministro Barroso alertou que a Operação Abafa não se restringe à ação coordenada dos políticos. “Essas pessoas têm aliados importantes em toda parte, nos altos escalões da República, na imprensa e nos lugares onde a gente menos imagina”, disse.

Alguns deles estão no próprio Supremo, e ainda não desistiram de anular provas e depoimentos que comprometem seus amigos do outro lado da praça dos Três Poderes.

Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/colunas/bernardomellofranco