QUE CAMINHO TOMARÁ A DODGE ?

Por Valentin Ferreira

 

Ela não era a preferida do MP. Era a segunda da listra tríplice. Temer a escolheu para ser a  nova Procuradora Geral da República. Rompe-se uma prática e escolhe-se a preferida de um governante enlameado por denúncias.

Alex Solnik, jornalista do Brasil 247, escreve a seguir o que pode ser mais um desastre na já combalida democracia brasileira.

Não tenho mais dúvida que a chefe nomeada da PGR, Raquel Dodge vai ser uma marionete de Temer, tal qual Rodrigo Maia o é na presidência da Câmara dos Deputados.

Eu não me conformo quando vejo aquelas fotos domingueiras em que Maia aparece, de roupa esporte, aboletado numa poltrona muito confortável ao lado de Temer e Moreira Franco, como se ele não soubesse que é pago por nós, o povo, para fiscalizar o Presidente e não para ser cooptado por ele.

Quando Temer coopta os dois outros Poderes, que deveriam ser independentes do Executivo ele está dando um pontapé na democracia.

Ditadura é o regime em que o Executivo controla o Legislativo e o Judiciário.

É o que já está acontecendo.

O que uma futura chefe da PGR tem a conversar com o presidente da República, fora de agenda, em sua residência oficial, naqueles horários heterodoxos e incompatíveis com a moralidade pública?

Alguém acredita que ela vai exercer seu cargo com alguma isenção, imparcialidade e autonomia?

Senhores, não sei se o script já estava pronto quando eles resolveram derrubar uma presidente eleita ou se foi sendo escrito à medida em que ocupavam o poder, mas o que estamos assistindo, sem muita reação é à ascensão de um sistema de governo que passa muito longe do democrata.

Numa democracia de verdade nenhum presidente da República continua no poder um minuto depois de ser revelado o episódio da mala, como o foi em todos os meios de comunicação, até para não passar mais vergonha.

Aqui, ao contrário, Temer fingiu que nada tinhas acontecido e partiu para desqualificar primeiro quem o entregou e agora quem o denunciou por corrupção em vez de se retirar, envergonhado.

É um presidente que não preza nem a democracia nem a sua honra.

Numa democracia de verdade nenhum presidente governa com 3% de aprovação da população porque a constituição diz que todo poder emana do povo e ninguém pode governar um país com 3% de poder.

Só num momento de trevas como esse uma chefe da PGR não cai depois de fazer o que fez.