SEI EM QUEM NÃO VOU VOTAR EM 2018

Postado por Valentin Ferreira /Resultado de imagem para votação impeachment
Não sei em quem vo­tarei em 2018, mas já sei em quem não vou votar.

Roberto Malvezzi (Gogó) Correio da Cidadania

Não voto em ne­nhum de­pu­tado que votou pelo golpe no país. Eles são mais de 360. Não voto também em ne­nhum se­nador que con­firmou o golpe. Eles são mais de 60. Eles des­truíram o fiapo da de­mo­cracia que tí­nhamos e im­plan­taram no Brasil uma di­ta­dura civil.

Não vo­tarei em ne­nhum de­pu­tado ou se­nador que per­tença à ban­cada do boi porque de­predam nossas matas e nossas águas; da bala porque estão con­victos que vi­o­lência só se re­solve com mais vi­o­lência; e nem da Bí­blia, porque ma­ni­pulam a pa­lavra de Deus para seus in­te­resses pes­soais, cor­po­ra­tivos e mes­qui­nhos numa ver­da­deira per­versão da Bí­blia.

Não vo­tarei em ne­nhum pre­si­den­ciável que apoiou o golpe.

Não vo­tarei em ne­nhum de­pu­tado, ou se­nador, ou go­ver­nador, ou pre­si­den­ciável, que votou ou apoiou a re­forma tra­ba­lhista, a re­forma da pre­vi­dência, da edu­cação e a PEC que con­gelou gastos em saúde e edu­cação por mais de 20 anos, con­de­nando nosso povo à mi­séria e ao de­sam­paro na ve­lhice e na do­ença.

Não vo­tarei em ne­nhum de­pu­tado ou se­nador que votou pelas mu­danças na le­gis­lação am­bi­ental, sa­cri­fi­cando as matas, os rios, os povos in­dí­genas, os qui­lom­bolas e todas as nossas ge­ra­ções fu­turas.

Não vo­tarei em ne­nhum can­di­dato do em­pre­sa­riado bra­si­leiro, par­ti­cu­lar­mente da FIESP, que pro­moveu a re­forma tra­ba­lhista e o en­co­lhi­mento do sa­lário mí­nimo. Esses em­pre­sá­rios não querem tra­ba­lha­dores, querem es­cravos, sem ao menos as­sumir a res­pon­sa­bi­li­dade de manter vivos os seus es­cravos, como era norma no tempo da es­cra­vidão.

Não vo­tarei em ne­nhum en­tre­guista da Pe­tro­brás, do Pré-sal, dos ter­ri­tó­rios bra­si­leiros, da base de Al­cân­tara, da pri­va­ti­zação da Ele­tro­brás, assim por di­ante.

Também não vo­tarei em can­di­datos a qual­quer cargo en­vol­vidos com­pro­va­da­mente com cor­rupção. Ela leva 200 bi­lhões de reais dos co­fres pú­blicos todos os anos e isso ajuda matar o povo bra­si­leiro.

Vou aguardar para ver se algum pre­si­den­ciável propõe a re­vo­gação de todas essas per­ver­si­dades po­lí­ticas, econô­micas, so­ciais e am­bi­en­tais im­postas ao povo bra­si­leiro.

Vou aguardar por algum pre­si­den­ciável que se com­pro­meta efe­ti­va­mente com a de­mo­cracia, não com golpes de qual­quer es­pécie.

Vou tentar achar algum can­di­dato que pense em in­clusão so­cial pela edu­cação e tra­balho, em res­peito aos tra­ba­lha­dores, às cri­anças, aos idosos, aos in­dí­genas, aos qui­lom­bolas e ao meio am­bi­ente ao qual per­ten­cemos e do qual de­pen­demos.

Pode ser que haja poucos, pouquís­simos com esse perfil, como achar agulha em pa­lheiro, mas eles existem.

Se esses ex­cluídos de minha lista vão ga­nhar ou não, não sei. Só sei que não será com meu voto.

Ro­berto Mal­vezzi é agente pas­toral no Se­miá­rido