PROVA CONTRA QUEM É CORRUPTO: PAGAR PARA NÃO SER INVESTIGADO

Postado por Valentin Ferreira
porque Temer é culpado
porque Temer é culpado

Por Fábio Lau /do Conexão Jornalismo

Quando um ilegítimo, golpista, traidor e escroque compra parlamentares para garantir que não será investigado ele não apenas está sugerindo ser culpado, mas está confessando seu(s) crime(s). Óbvio. Certa vez este jornalista foi abordado com uma dose e tanto de furor pelo excepcional jurista Marcio Thomas Batos, morto há alguns anos, e ex-ministro da Justiça de Lula. O motivo? Ele, advogado dos bons de São Paulo, um dos mais caros do país, aceitou defender a viúva de um grande executivo do Bradesco que era suspeita de envolvimento na morte do marido.

Trabalhava em um jornal (O Globo) quando fui encarregado pelo chefe de reportagem, Walmor Pamplona, (ou seria o subeditor, Oscar Valporto?) de fazer uma reportagem que mostrasse as falhas da investigação do crime que ficou conhecido como “Caso Bradesco”. Entre os tópicos assinados, e que mostravam falhas e dúvidas, salientei um:

– Por que Maria de Lurdes, que até então figurava como testemunha do crime, contratou o mais caro advogado criminalista do país para acompanhá-la nos depoimentos à delegacia? Ele precisava vir de São Paulo ao Rio só para levá-la à 13DP, de Copacabana.

Publicado o texto no domingo, na segunda-feira seguinte Márcio Tomás Bastos me identificou pelo crachá e questionou de forma educada:

– Então, senhor Fábio Lau, a sua reportagem supõe que qualquer pessoa que me contratar se tornará suspeita? Me contratar é o mesmo que confessar crime?

Não respondi. Apenas ri. Havia ali um quê de sim e de não.

Temer, ao comprar a turma toda para garantir seus 251 votos, sabia que se fosse investigado seria, claro, descoberto. O flagrante da reunião fora de hora com Joesley Batista é mais do que batom na cueca. Aquilo é um borrão no peito nu.

Mas o STF, que tudo vê, mas nada sabe, não vai se mexer. O eleitor sim é que deve se cuidar e votar melhor. Tantos são os canalhas que ocupam o Parlamento brasileiro que seria injustiça culpar apenas aos ladrões. Seus eleitores também são criminosos – pela ação ou omissão.

Ah, no caso Bradesco, a viúva era mesmo culpada. Foi ela quem contratou um homem para matar o marido.

Inté!