NEM COPA, NEM ELEIÇÃO: BRASILEIRO TIROU O TIME, NÃO QUER SABER DE NADA

Postado por Valentin Ferreira

Por: Ricardo  Kotscho./ Em seu blog

De quatro em quatro anos, assim como a candidatura de Marina Silva, temos Copa do Mundo e eleições presidenciais no Brasil.

Desta vez, porém, a apenas um mês da Copa da Rússia e a 150 dias das eleições, nada parece capaz de despertar o interesse e tirar o brasileiro da pasmaceira geral que se instalou no país.

Basta dar um giro pelas redes sociais para ver que até o Fla-Flu político está sumindo de cena e ninguém está interessado em discutir o time de Tite.

Não sei se isso se deve à mudança dos tais algoritmos do Facebook, mas o fato é que os espaços agora são ocupados predominantemente por bobagens variadas, fotos de viagens e de comidas, efemérides familiares, lembranças de outros tempos e coisas do gênero.

O mesmo reparei nesta quinta-feira nos principais portais jornalísticos, que se equivalem na chatice e na mesmice das especulações sobre alianças eleitorais entre figuras inexpressivas e no predomínio do noticiário policial.

Cada um com sua manchete, como a indicar que não há mais temas capazes de despertar a atenção geral.

Nada acontece de novo no Congresso Nacional, o governo é incapaz de produzir qualquer fato novo relevante, até o STF parece que se recolheu depois de dominar o cenário nas últimas semanas.

Sobram as rivalidades do futebol, curiosidades e bizarrices, atividades de sub-celebridades, os últimos ataques do Trump enlouquecido no Twitter, ameaçando botar fogo no mundo.

Não está fácil, como vocês podem reparar, a vida de colunistas, blogueiros e quetais que se dedicam a comentar o que acontece.

Como não está acontecendo nada, e jornalismo vive de novidade, nem mereceram destaque três fatos da terça-feira que em outros tempos virariam escândalos em capas de jornal:

  • Sem mais nem menos, o procurador geral do Estado de São Paulo, Gianpaolo Smanio, nomeado pelo tucano Geraldo Alckmin, tirou das mãos do promotor e sentou em cima do processo que investiga Geraldo Alckmin por improbidade administrativa no caso das propinas delatadas por executivos da Odebrecht. Até que o procurador defina o destino da apuração, o caso ficará parado, ou seja, provavelmente só voltará ao noticiário após as eleições.
  • Acusado de desviar verbas da merenda escolar, o tucano Fernando Capaz, ex-presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo, foi denunciado pelo Tribunal de Justiça num caso que se arrasta desde 2016. Capez nega tudo.
  • Em Mongaguá, no litoral paulista, o prefeito tucano Artur Parada Prócida foi preso em flagrante pela Polícia Federal na casa dele, onde guardava R$ 5, 3 milhões, uma montanha de dinheiro vivo. A “Operação Prato Feito” da PF investiga desvio de dinheiro da merenda em várias prefeituras paulistas nos últimos anos. Prócida garante que vai explicar a origem da dinheirama.

Como estes três casos envolvem tucanos em apuros, é preciso procurar com lupa para descobrir onde estão publicados.

Curiosa é essa predileção dos tucanos por verbas da merenda escolar, não é não?

Agora que os principais alvos da Lava Jato já estão presos em Curitiba, tudo voltou à “normalidade”. Ninguém se espanta com mais nada.

Nada mais é capaz de indignar nossa brava imprensa nem os internautas moralistas que agora se dedicam a publicar abobrinhas.

Vida que segue.