O MELHOR DO BRASILEIRO É A VIRAÇÃO

Postado por Valentin Ferreira

Tem gente que exalta a nossa capacidade de rir de nós mesmos. E é verdade. Outros dizem que somos generosos e dividimos o que temos com quem precisa -o que é uma grande cascata. Ou teríamos feito a reforma agrária há muito tempo. Mas tem gente que fala de outra qualidade e que aí temos que concordar: conseguimos sobreviver as intempéries do mundo sem perder a gentileza: de fato é uma realidade. Veja que a gente, no Rio de Janeiro, enfrenta o Temer, Pezão e Crivella. E continuamos rindo. Em São Paulo também a coisa não é fácil, mas a turma lá parece não reparar nessas miudezas da vida.

Mas todo este nariz de cera veio para justificar a fotografia. Como somos criativos, né não? imagina como deve ficar boa a calabresa assada ali, no ferro elétrico. Tudo bem que o cara não colocou cebola – que dá uma adocicada no tira-gosto e mesmo um azeitezinho. Uma porção de pimenta do reino também cairia bem. Mas temos que lembrar que o sujeito vai passar a camisa social no dia seguinte. Ou o uniforme dos meninos.

Note que dizemos “sujeito”, no masculino, porque isso não parece coisa de dona de casa. Acho até que o cara tomou um piau na orelha. Mas aí já é excesso de criatividade.

Por Fabio Lau / Conexaojornalismo