É NA CRISE QUE SE CONHECE QUEM É SOLIDÁRIO

Postado por Valentin Ferreira

Mesmo com o tanque de combustível com três quartos cheio o sujeito manda completar. Os outros que se danem. Eu garantindo o meu beleza.

Na Folha hoje, Mariliz Pereira Jorge coloca o dedo na ferida, naquela parcela da sociedade que em momentos como o que passamos na ultima semana, não está nem aí com o direito dos seus iguais. Leia o artigo abaixo

O pior do Brasil é o brasileiro -Por  Mariliz Pereira Jorge

 O mesmo povo que se mobiliza quando há tragédias pode virar uma corja repugnante

Ficou famoso o episódio em que uma moradora do Rio se recusou a ajudar um gringo, mesmo sabendo falar inglês. “You’re in Rio for the Olympic Games and doesn’t speak Portuguese? Segue em frente e vira à direita que tu chega no metrô! Gringo tá no Rio e eu tenho que falar inglês?” Se isso aconteceu em 2016, época festiva dos Jogos, imagine agora com a realidade baixo astral em que vivemos.

A faceta que revela um cidadão sem empatia e mal-educado tem pipocado em imagens na TV, em grupos do WhatsApp e nas redes sociais nesses dias de paralisação. O brasileiro apoia o movimento(87%, segundo o Datafolha), mas não quer ficar sem gasolina, sem carne, sem legumes, sem que a empregada chegue ao emprego, nem abrir mão de viajar no feriado. Queremos um Brasil diferente, mas se virem, não ousem me deixar sem mamão formosa.

Testemunhamos gente em guerra, empunhando galões de combustíveis que, ao encontrarem as bombas secas, acabaram na cabeça dos que estavam ali também atrás de gasolina. Carros com ¾ de tanque em filas longas, durante horas, apenas para “completar”. Gente que em frente a uma prateleira com duas bandejas de tomates a dez contos o quilo, tratou de catar ambas, mesmo sob protesto de terceiros. Deixa eu garantir o meu, os outros que se danem.Pessoas carregam galões vazios de gasolina em frente a posto em Brasília , na 

É incrível que o mesmo povo que se mobiliza em doações quando acontecem tragédias naturais se transforme numa corja repugnante e mesquinha quando o seu rabo apenas parece estar na reta. Haverá prejuízos bilionários em vários setores, mas a barulheira é para garantir tanque cheio e prateleiras abastecidas. Apenas.

O brasileiro quer um país diferente desde que não envolva sacrifícios pessoais. Quer mais Estado e menos impostos. Não é genial? Quer que as coisas mudem, que a corrupção acabe, mas sem mudar o próprio comportamento. A gente se acha malandro tirando onda de gringo otário. Quem são mesmo os otários?

Mariliz Pereira Jorge

É jornalista e roteirista.