A MENSAGEM ENVIADA AO AVÔ POR NETA DE 12 ANOS

Postado por Blog do Valentin        Ricardo Kotscho, avõ de Bebel de 12 anos

Terça-feira, 11 da noite, chega mais um zap da minha neta Bebel, de 12 anos:

“Vovô: tive vontade de escrever esse texto e estou enviando pra você”.

Eu já estava dormindo, só fui ler agora de manhã.

A gente tinha acabado de ter uma longa conversa no WhatsApp sobre a situação do país e a decisão da Justiça de proibir a ida de Lula ao enterro do irmão Vavá.

No primeiro zap, às 10 da noite, ela me fez uma pergunta:

“Oi, vô, tudo bem? Coitado do Lula. Eu estou preocupada. Você acha  que vão deixar ele ir no velório?”

Naquele horário ainda não dava para saber direito.

Quase não acreditei no que li ao abrir o celular nesta manhã de quarta, e até perguntei pra ela: “Você que escreveu esse maravilhoso texto, Bel?”

Resposta dela, objetiva como sempre: “Sim”.

E me autorizou a publicá-lo, como segue abaixo, na íntegra, com a grafia original:

“Esse não é o Brasil: sem amor, sem respeito, sem compaixão.

Cadê nossa cultura, cadê nossa história. Acabou?

Nosso Brasil nunca será mais o mesmo?

Ainda bem que temos um bom passado recente, de luta democrática, pois o futuro já está quase destruído.

Por isso, precisamos lutar cada um fazendo sua parte para trazer nosso Brasil de volta, aquele com amor e respeito.

Basta termos fé e responsabilidade que vamos conseguir.

Faz 30 dias que o Bolsonaro começou na presidência e nada melhorou como alguns achavam que ia acontecer, aliás, só piorou.

O que parecia óbvio que ia acontecer, já que nas primeiras 24 horas no poder ele já havia tirado os direitos do LGBTs e reduzido o reajuste do salário mínimo.

Durante 28 anos como deputado ele não fez nada! O que ele pretende fazer nos próximos 4 anos, sendo que nas primeiras 24 horas já foram tantas coisas ruins?

Não consigo nem imaginar o que pode acontecer.

Só sei que devemos seguir em frente lutando a cada dia e cada vez mais.

Basta acreditar que vamos conseguir e que estamos todos juntos nessa.

Beijos, Bebel”.

***

Diante desse retrato de indignação, esperança e luta de uma criança de 12 anos, o que mais eu poderia acrescentar?

Logo, logo, espero que Bebel poderá estar ocupando este espaço do Balaio, e eu irei finalmente descansar em paz, com a sensação de missão cumprida.

Vida que segue.

Do Blog Balaio do Kotscho