O PAPA FRANCISCO E O ESTERCO DO DIABO

Por Luiz Gonzaga Belluzo

Em carta aos jovens economistas do mundo, Papa Francisco sugeriu que se reunissem na cidade de Assis, Itália, entre 26 e 28 de março de 2020 para repensar uma nova doutrina econômica para o mundo. Uma doutrina que vá além das “diferenças de credo e nacionalidade”, inspirada “na fraternidade, sobretudo para os pobres e excluídos”.

Em 2013, o Papa Francisco ofereceu aos cristãos a Primeira Exortação Apostólica “Evangelii Gaudium”. Assim como as encíclicas Rerum Novarum de Leão XIII, Mater et Magistra e Pacem in Terris de João XXIII, a exortação apostólica de Francisco abordava as vicissitudes e esperanças da vida cristã no mundo contemporâneo.

Documento aponta os males da supremacia dos mercados financeiros e suas consequências sobre a vida dos homens

Também em 2013, Francisco lamentou o Espírito desse mundo que reduz o Homem “a uma única das suas necessidades: o consumo e, pior ainda, o ser humano é considerado também um bem de consumo que pode ser utilizado e jogado fora. Inversamente, “a solidariedade, o tesouro do pobre, é considerada contraprodutiva, contrária à racionalidade financeira e econômica”. Isto deve-se “a ideologias promotoras da autonomia absoluta dos mercados e da especulação financeira, que negam o direito de controle dos Estados”.

Já em 2015, durante outra audiência no Vaticano, o Papa disse que “o dinheiro é esterco do diabo”, acrescentando que, quando o capital se torna um ídolo, ele “comanda as escolhas do homem”. Aprisionado nas engrenagens impessoais da economia sem alma, o Homem sem Escolhas entrega seu destino ao diabo e seus estercos.

Na edição de 17/5/ 2018, o Osservatore Romano registra a divulgação do documento Oeconomicae et pecuniariae quaestiones elaborado pela Congregação para a Doutrina da Fé. O texto de 16 páginas contém “considerações para um discernimento ético acerca de alguns aspectos do atual sistema econômico-financeiro”.

O documento foi apresentado na Sala de Imprensa pelo arcebispo Luis Francisco Ladaria Ferrer e pelo cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson. Já na introdução o texto revela seu propósito de avaliar a supremacia dos mercados financeiros – os estercos do Diabo – e suas consequências sobre a vida de homens e mulheres que habitam o mundo dos vivos. “A recente crise financeira poderia ter sido uma ocasião para desenvolver uma nova economia mais atenta aos princípios éticos e para uma nova regulamentação da atividade financeira, neutralizando os aspectos predatórios e especulativos, e valorizando o serviço à economia real”.

Embora muitos esforços positivos tenham sido realizados em vários níveis, sendo os mesmos reconhecidos e apreciados, não consta, porém, uma reação que tenha levado a repensar aqueles critérios obsoletos que continuam a governar o mundo. Antes, parece às vezes retornar ao auge um egoísmo míope e limitado a curto prazo que, prescindindo do bem comum, exclui dos seus horizontes a preocupação não só de criar, mas também de distribuir a riqueza e de eliminar as desigualdades, hoje tão evidentes.

Está em jogo o autêntico bem-estar da maior parte dos homens e das mulheres do nosso planeta, os quais correm o risco de serem confinados de maneira crescente sempre mais às margens, se não de serem “excluídos e descartados do progresso… se queremos o bem real para os homens, o dinheiro deve servir e não governar!”.

A palavra da Doutrina da Fé despertou-me a lembrança dos Essays in Persuasion de John Maynard Keynes. O conjunto de ensaios publicado em 1930 espargia esperanças. Keynes sustentou que “o Mundo Ocidental já tem os recursos e a técnica capazes de reduzir o Problema Econômico que agora absorve nossas energias morais e materiais, se pudéssemos criar a organização para usá-los… Acredito que não está longe o dia em que o Problema Econômico vai tomar o banco de trás e a arena do coração e do cérebro será ocupada, ou reocupada, por nossos problemas reais – os problemas da vida e das relações humanas, da Na contramão dos vislumbres otimistas de Maynard, a economia contemporânea, comandada pela finança, excita as esperanças, mas, enquanto destrói a natureza, constrói terríveis realidades humanas. As novas formas financeiras contribuíram para aumentar o poder das corporações internacionalizadas sobre grandes massas de trabalhadores, permitindo a “arbitragem” entre as regiões e nivelando por baixo a taxa de salários. As fusões e aquisições acompanharam o deslocamento das empresas que operam em múltiplos mercados.

Isso ampliou o fosso entre o desempenho dos sistemas empresariais “globalizados” e as economias territoriais submetidas à regras jurídico-políticas do Estados nacionais. A abertura dos mercados e o acirramento da concorrência coexistem com a tendência ao monopólio e debilitam a força dos sindicatos, fazendo periclitar os direitos sociais e econômicos.

Em seu livro As Ideias e os Fatos, Frederico Mazzuchelli registra a menção de Francisco à concorrência, matriz da “insatisfação e da tristeza individualista que escraviza”. O Papa rejeita as formas de religiosidade que fazem o espírito recuar para os recônditos do individualismo, uma espécie de “consumismo do sagrado”. “Mais do que o ateísmo, o desafio que hoje se nos apresenta é responder adequadamente à sede de Deus de muitas pessoas, para que não tenham de ir apagá-la com propostas alienantes ou com um Jesus Cristo sem carne e sem compromisso com o outro. Se não encontram na Igreja uma espiritualidade que os cure, liberte, encha de vida e de paz, ao mesmo tempo que os chame à comunhão solidária e à fecundidade missionária, acabarão enganados por propostas que não humanizam nem dão glória a Deus”. Os olhares do nosso tempo perderam de vista a utopia da comunidade cristã, forma de convivência incrustrada nas origens do cristianismo.

“Um Jesus Cristo sem carne” é o código de acesso ao mistério libertador da Encarnação, um divisor de águas na história da humanidade, um movimento revolucionário, nascido das crueldades e sabedorias do mundo greco-romano.

Na corporeidade do Filho, Deus Pai adquire uma dimensão humana para sofrer as agruras dos mortais e despejar solidariedade incondicionalmente. O tempo assume uma dimensão histórica: Cristo trouxe a certeza da eventualidade da salvação, mas cabe à história coletiva realizar essa possibilidade oferecida aos homens pelo sacrifício da cruz e pela ressurreição.