VÍDEO COM TAIGUARA: TEU SONHO NÃO ACABOU

TAIGUARA: “TEU SONHO NÃO ACABOU” – Sempre é bom reviver sua mensagem

Do YouTube/Band

“Só feche o seu livro quem já aprendeu

Só peça outro amor quem já deu o seu

Quem não soube a sombra, não sabe a luz

Vem não perde o amor de quem te conduz “

Terceira estrofe da composição de Taiguara, Teu sonho não acabou, que foi lançada em 1972. (abaixo a letra completa e um pouco de sua história)

Teu sonho não acabou

Hoje a minha pele já não tem cor
Vivo a minha vida seja onde for
Hoje entrei na dança e não vou sair
Vem eu sou criança não sei fingir

Eu preciso, eu preciso de você
Ah eu preciso, eu preciso, eu preciso muito de você

Lá onde eu estive o sonho acabou
Cá onde eu te encontro só começou
Lá colhi uma estrela pra te trazer
Bebe o brilho dela até entender

Que eu preciso, eu preciso de você
Ah eu preciso, eu preciso, eu preciso muito de você

Só feche seu livro quem já aprendeu
Só peça outro amor quem já deu o seu
Quem não soube à sombra não sabe à luz
Vem não perde o amor de quem te conduz

Eu preciso, eu preciso de você
Ah eu preciso, eu preciso, eu preciso muito de você
Eu preciso, eu preciso de você
Nós precisamos, precisamos sim, você de mim eu de você
MÚSICA

TAIGUARA nasceu em Montevidéu (09 de outubro de 1945) e morreu em São Paulo (14 de fevereiro de 1996). Veio para o Rio de Janeiro em 1949. Abandonou a faculdade de Direito para se dedicar à música. Participou de diversos festivais da MPB, fazendo enorme sucesso nas décadas de 60 e 70 com as músicas Hoje, Universo do teu corpo, Piano e viola, Amanda, Modinha, Tributo a Jacob do Bandolim, Viagem, Berço de Marcela, Teu sonho não acabou, Que as crianças cantem livres, entre outras. Foi um dos símbolos da resistência contra a censura implantada no BRASIL pela ditadura militar a partir do golpe de 1964. Teve mais de 100 (cem) músicas proibidas pelo regime, o que o levou a se exilar na Inglaterra (meados de 1973). Em Londres estudou no Guildhall School of Music and Drama e gravou o Let the Children Hear the Music, que nunca chegou ao mercado e se transformou no primeiro disco estrangeiro de um brasileiro censurado no BRASIL. Morreu em 1996, vítima de um câncer.