MITO DA CONSPIRAÇÃO MUNDIAL SEMPRE ANDOU JUNTO COM A EXTREMA-DIREITA

Por Demétrio Magnoli / Via Náufrago da Utopia

Na sua reta final, a campanha de Donald Trump à reeleição entrelaça-se ao culto online QAnon. O fenômeno inscreve-se numa longa história e descortina as tendências evolutivas do discurso da extrema-direta, nos EUA e mundo afora.


O QAnon nasceu como narrativa conspiratória singular. Segundo ela, o Partido Democrata estadunidense seria o núcleo de um complô de líderes pedófilos organizadores do sequestro de crianças para escravizá-las a redes de exploração sexual. Sob o comando de figuras como Joe Biden, Hillary Clinton e Barack Obama, operariam Angela Merkel, Emmanuel Macron, Xi Jinping e outros globalistas engajados no negócio diabólico da pedofilia. 

Nessa moldura, Trump ocuparia o papel de salvador providencial das famílias, o derradeiro escudo protetor da cristandade ameaçada.
O mito da conspiração mundial sempre andou junto com a extrema-direita. A estrutura gramatical do QAnon recupera e atualiza a narrativa dos Protocolos dos Sábios de Sião, fabricada pela polícia secreta da Rússia czarista para impulsionar o antissemitismo. 

Os Protocolos contam a história de um complô multissecular dos judeus destinado a assumir o controle dos bancos, das escolas e dos veículos de comunicação, o que propiciaria a conquista dos poderes estatais. A lenda, inventada em 1903, fez seu caminho até o movimento nazista e, mais tarde, foi adotada pelos negacionistas do Holocausto.
Nos Protocolos, os judeus encarnam o cosmopolitismo, o liberalismo, o agnosticismo e a depravação. O QAnon simplesmente substitui os judeus pelos globalistas. Os judeus dos Protocolos imolariam crianças para extrair o sangue usado no cozimento do matzá da Páscoa; os globalistas sacrificariam crianças puras nas engrenagens da luxúria.
A novidade está na plasticidade do QAnon —isto é, na sua natureza agregadora.

Ao longo de poucos anos, o mito original foi incorporando outras lendas difundidas no ciberespaço: — Obama não nasceu nos EUA e é um muçulmano disfarçado como cristão;— Osama Bin Laden não morreu, mas foi escondido pelo governo estadunidense;— a Terra esférica é uma mentira carimbada pela Nasa;— o coronavírus foi produzido num laboratório chinês e exportado ao Ocidente com a cumplicidade dos globalistas, que querem destruir as economias e submeter as nações a perversas instituições multilaterais; — a vacina chinesa é um vetor de controle biológico dos indivíduos, etc.

Acostumados a um universo extremo de fantasias, os seguidores do QAnon tendem a assimilar as sub-teorias conspirativas adventícias. Já os crentes dessas sub-teorias nem sempre compram o complô dos pedófilos, mas não se importam em consumir seletivamente as teses delirantes que circulam nas mesmas praças discursivas.
A lenda mais recente está adaptada à hipótese realista do fracasso de Trump na disputa pela Casa Branca —e é proclamada pelo próprio presidente dos EUA. O resultado adverso decorreria de vasta fraude eleitoral e anunciaria uma ofensiva avassaladora do Estado profundo, por meio de uma revolução colorida que confiscaria as armas e as liberdades dos cidadãos.
Como qualquer discurso conspiratório que se preze, o QAnon triunfa nos dois cenários. Se Trump perder, a profecia cataclísmica realizou-se, impondo uma resistência ilimitada contra o governo dos pedófilos. Se, no fim das contas, Trump vencer, a exposição do maligno complô evitou o pior, provando a necessidade de uma guerra inclemente diante do ardiloso inimigo.
Há outra distinção relevante. No tempo dos Protocolos, a narrativa da conspiração movia-se exclusivamente de cima para baixo, ou seja, das lideranças políticas rumo ao grande público. Hoje, na era das redes sociais, ela transita nas duas direções, que se retroalimentam. 
Engana-se quem pensa que a guerra da vacina seja, apenas, uma expressão da rivalidade eleitoral de Jair Bolsonaro com João Doria.​ 

(por Demétrio Magnoli)