36 PERGUNTAS SOBRE SUA ESTRATÉGIA

O sérvio Novak Djokovic e o espanhol Rafael Nadal na final de partida em Roland Carros 2020 – Thomas Samson/AFP

O estrategista não tem todas as respostas, mas precisa fazer as perguntas

Por Nizan Guanaes

Este é o mundo da estratégia. Sua empresa deve ter uma. Agora, deixe-me perguntar: ela é executada como estava no papel? Ela é factível? Ela é simples ou é complicada? No que ela lhe diferencia? O que faz sua estratégia ser sua estratégia? Será que não é melhor copiar uma estratégia já testada? Você tem uma estratégia ou uma tática? Suas táticas levam à sua estratégia? Sua empresa “comprou” sua estratégia? (Porque se não compra, não vende.) Sua empresa entendeu a estratégia? Sua mulher, seus filhos, sua mãe, seu melhor amigo entenderam? Alguém entendeu sua estratégia?

Você comunicou bem à empresa sua estratégia? Os bônus estão alinhados com sua estratégia? Ou a estratégia vai para um lado e a empresa para outro? Sua estratégia combina com esses tempos? Com esse mundo? Com esse consumidor? Ou sua estratégia é incrível só que no século errado, na década errada, no ano errado? Ela está no país errado?

Sua estratégia bate com o seu setor? Com sua empresa? Com sua marca? Com seu consumidor? Sua comunicação diz e executa a estratégia? Quem vê sua comunicação entende ou intui a sua estratégia? A produção do filme, do anúncio, do outdoor, do site, do app, da rede social tem a cara da sua estratégia? Sua embalagem, seu logo, sua tipologia têm a cara da sua estratégia?

Sua estratégia comercial está alinhada com sua estratégia? Os talentos de sua empresa estão à altura ou coerentes com sua estratégia? A execução de sua estratégia é veloz e eficaz ou é um mar de reuniões? Ela é uma estratégia ou é uma vontade? É uma vontade dos acionistas/CEO ou ela é uma estratégia da companhia?

Você ama ou odeia sua estratégia, como parar de fumar, começar a correr, parar de comer glúten, que são coisas que as pessoas querem, mas odeiam?

O estrategista não tem todas as respostas, mas precisa fazer as perguntas. Perguntar à empresa, ao consumidor, ao mercado e à sociedade. Sua publicidade está compatível com sua estratégia
e entende sua estratégia? Ela é remunerada e engajada à altura da sua estratégia?

Toda empresa e tudo nela precisa estar alinhado com a estratégia. Não há estratégia de comunicação sem pessoas alinhadas. Se o estagiário e o recepcionista não entendem a estratégia, é porque a estratégia da estratégia está errada.

Por isso que, ao invés de consultor, decidi ser coach. Vi outro dia a série “The Playbook”, em que alguns dos maiores técnicos americanos dividem seus pensamentos sobre gestão de pessoas. O único dia que o técnico fica fora do campo é no dia do jogo. Em todos os outros momentos, ele está lá no meio do time e do campo.

Tenho estudado muito sobre estratégia. Felicidade é uma estratégia. Saúde, também. Peso (salvo enorme propensão genética), também. O que é uma final de Roland Garros, Nadal contra Djokovic? Estratégia, estratégia, estratégia.

Lá em cima tem 36 perguntas. Ponha-as no papel. Responda-as a você mesmo. Veja onde sua empresa está e depois busque pessoas que não têm nada a ver com a sua empresa, mas que representam o seu público-alvo, e faça essas mesmas perguntas.

Essas pessoas são suas consultorias gratuitas e acessíveis, que você tem em sua casa e em seus relacionamentos.

A McKinsey é espetacular, mas tem coisas que seu cunhado, seu dentista e sua sogra sabem responder ou perguntar sobre sua estratégia com uma assertividade absurda.

E, por fim, veja a Natura, a Volvo e o Atacadão. Quantas linhas você precisa para descrever a estratégia delas? Pois é. Quando a explicação é simples, o acerto da estratégia fica óbvio.

Nizan Guanaes Empreendedor, criador da N Ideias​.