POR QUE A NATUREZA NOS LIVRA DO ESTRESSE?

As imagens de comunhão com a natureza sempre nos inspiram tranquilidade, mas você já se perguntou por quê? Descubra as respostas a seguir.

Está cada vez mais na moda sair para o campo apenas para passear. Os clubes de caminhadas, as caças a cogumelos no outono e as férias em acampamentos se multiplicaram. Acostumados com a vida na cidade grande e suas comodidades, o que nos faz querer passar um tempo em um ambiente tão diferente? Será que a natureza nos livra do estresse?

O estresse crônico é uma das principais causas das consultas em médicos e psicólogos. Todos nós somos capazes de reconhecer que a vida contemporânea tem uma série de desvantagens que jogam contra nós quando se trata de relaxar. Vamos analisar esses fatores para ver como eles se relacionam com a busca pela natureza.

O estresse e suas causas

O estresse é uma sensação normal e adaptativa que nos ajuda a responder a situações de emergência, mas a vida na cidade às vezes pode enganar o corpo, fazendo-nos acreditar que vivemos em constante perigo. É nesse momento que podemos falar sobre estresse crônico.

O estresse pode ter raízes em muitos âmbitos da vida, tanto internos quanto externos. Veja aqui alguns exemplos:

Tendência biológica ao estresse: algumas pessoas têm mais facilidade para serem ativadas emocionalmente do que outras, o que favorece o surgimento do estresse quando outras não o sentiriam.

Condições de vida difíceis: pobreza, situações de maus-tratos, desastres naturais ou doenças crônicas são alguns exemplos de situações de vida estressantes que favorecem a sua cronificação.

Características da personalidade: vários estudos relacionaram certos traços de personalidade, como a falta de assertividade ou a impulsividade, à predisposição ao estresse crônico.

Alimentação: embora pareça inverossímil, os maus hábitos alimentares estão relacionados ao aparecimento do estresse. Um exemplo disso é o abuso de cafeína e gorduras processadas.

Ambiente: excesso de ruído, lugares lotados ou falta de tempo livre são fatores fundamentais que nos impedem de relaxar, tornando o estresse crônico

Como a natureza nos livra do estresse

Nossa relação com o ambiente é altamente complexa. Milhares de fatores estão relacionados entre si e conosco, e muitas vezes é difícil identificar onde teve início a espiral, se foi em nós mesmos ou em algo que nos afeta de fora.

Por outro lado, o modelo moderno de vida evoluiu tanto nos últimos séculos que se tornou muito complicado para a biologia. Fatores como o ambiente de trabalho, a poluição e a correria do dia a dia podem entrar em conflito com os ritmos naturais do corpo, e é aí que a natureza entra em ação: para cada um deles, ela tem uma contrapartida que vamos expor a seguir.

Escutar o silêncio

O ruído ambiental na cidade é constante: o vizinho que faz barulho a qualquer hora, o trânsito incessante, as obras. Nunca há um momento de descanso. De fato, a habituação a esses sons se torna tão normal para a consciência que nos surpreendemos quando estão ausentes.

Alvarsson e sua equipe compararam o desempenho de dois grupos em uma tarefa após terem sido apresentados a um estímulo estressante. Um deles foi exposto ao ruído ambiente da cidade, e o outro a sons da natureza. O grupo que escutou o ruído da cidade teve um desempenho significativamente pior. Por isso, concluiu-se que os sons ambientais da natureza ajudam a reduzir a atividade do sistema nervoso simpático – aquele que nos ativa quando detectamos perigo.

A solidão também é necessária

O ser humano é uma espécie gregária e a companhia de outros humanos – e até não humanos – tem níveis mínimos necessários para o bem-estar emocional. No entanto, evolutivamente estamos acostumados a viver em pequenos grupos e isso faz com que grandes multidões nos estressem. Existem até estudos que relacionam o declínio da fertilidade com a superpopulação.

Quando estamos em um ambiente natural, o simples fato de não haver pessoas por perto favorece a sensação de intimidade e introspecção – que pode desaparecer quando há interação constante com outras pessoas.

Contaminação

Quando se fala de contaminação em uma grande cidade, não se pode reduzir essa ideia apenas à poluição, embora o ar poluído esteja presente entre os fatores de surgimento de transtornos de estresse e ansiedade.

Já falamos do excesso de ruído, mas a poluição luminosa não fica atrás: nas grandes cidades ela também afeta o corpo, alterando os ritmos circadianos que normalmente são guiados pela luz solar.

A “pílula da natureza”

Como conclusão, citaremos o estudo de MaryCarol R. Hunter, no qual foi demonstrado que uma exposição de vinte minutos a um ambiente natural foi suficiente para reduzir os níveis de cortisol no sangue, mesmo que esse ambiente estivesse localizado dentro de uma grande cidade. Essa exposição deveria ser feita sem telas, evitando a prática de exercícios aeróbicos e até mesmo a leitura, incluindo apenas passear ou sentar.

Essas novas descobertas unem o progresso às raízes da biologia, abrindo as portas para novas formas de cuidar da saúde sem abrir mão das comodidades da vida moderna.


Publicado originalmente por : A Mente é maravilhosa