A PORÇÃO PERVERSA DA ALMA DO POVO

Por Pepe Damasco

As pessoas estão perdendo filhos, pais, mães, avós, tios, primos e amigos, vítimas de mortes evitáveis em muitos casos, se não estivéssemos sob um governo que cultua a morte.

Mas, estranhamente, a defesa do bem mais precioso de qualquer ser humano, a vida, não é motivo suficiente para uma revolta da vacina às avessas. E 200 mil mortos são três Maracanãs lotados.

Essa tragédia sem precedentes na história não é suficiente para que os brasileiros e brasileiras cerquem o Palácio do Planalto, pelo menos virtualmente , e exijam vacina imediatamente, além da saída do genocida que ocupa a cadeira presidencial.

Desnecessário entrar em detalhes acerca do papel nefasto da longa dominação de 520 anos da Casa Grande para o baixo nível de consciência política da nossa gente.

A exploração brutal dos mais humildes pela burguesia e a dificuldade de acesso à educação de qualidade também são fatores que ajudam a explicar o quadro de subcidadania.

Mas os pesquisadores do futuro certamente “queimarão a mufa” para decifrar um fenômeno de tamanha complexidade.

O próximo a morrer pode ser o filho, a esposa ou a mãe do sujeito, mas a iminência de uma perda irreparável é incapaz de impedir que ele ande sem máscara, que vá à praia, que se aglomere em festas e bares. E tem de tudo no desafio insano à Covid-19: do povão às classes média e alta.

Os que adotam esse comportamento egoísta revelam total falta de empatia e solidariedade para com o próximo, se transformando conscientemente em agentes da propagação do vírus, da doença e da morte.

Para não incorrer no erro crasso da generalização, cumpre registrar que não me refiro obviamente neste texto à totalidade do povo brasileiro, nem mesmo à maioria, mas sim à parcela expressiva dele.

Desta feita, nem a falta de informação serve como justificativa, dado o verdadeiro bombardeio dos veículos de comunicação acerca das medidas de proteção necessárias para conter a disseminação do vírus.

A ciência política, a sociologia e a antropologia são insuficientes para explicar e entender a alma do povo deste país. Causa perplexidade ver as pessoas se deixando matar bovinamente. 

Ah, mas esse mesmo povo elegeu Lula e Dilma em quatro eleições presidenciais consecutivas, dirão muitos. Sim, mas boa parte desse eleitorado nunca deixou de dar a impressão de que assim que passasse um cavalo encilhado que refletisse o racismo, a homofobia, a misoginia e o anticomunismo mais tosco presentes na sociedade estaria pronta para montar. Deu no que deu. 

Vastos setores da esquerda adotam um tom paternalista quando se trata de analisar a adesão popular a causas obscuras. Debitar tudo na conta das debilidades e erros da própria esquerda costuma ser o diagnóstico padrão.

Claro que é importante enfatizar que a elite escravocrata do país e seu ódio devotado aos negros e pobres, conforme apontado pelo professor Jessé de Souza, são elementos sólidos para a compreensão das nossas mazelas como nação.

Isto posto, penso que passar pano em posturas anticientíficas, egoístas e atentatórias à saúde pública não contribui para que possamos atravessar a tormenta e construir um país mais justo, igualitário, soberano e efetivamente democrático.