ELES INCOMODAM O NEGACIONISMO

Por Moises Mendes

Depois de passada a pandemia, quando o coronavírus não for mais assunto diário, a bióloga Natalia Pasternak e o farmacêutico Gustavo Mendes devem continuar aparecendo com frequência na TV.

Para comentar o quê? Que comentem qualquer coisa, mas que permaneçam inspirando confiança na ciência, como fazem nesses dias de trevas da pandemia.

Mendes é o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa. Uma figura que, antes mesmo da leitura do relatório técnico sobre as vacinas liberadas para uso emergencial, já mostrava que é um cara ponderado e seguro.

E Natalia Pasternak, já consagrada como cientista que busca a comunicação com o público, é pesquisadora visitante da USP, professora da FGV e presidente do Instituto Questão de Ciência.

Os bolsonaristas odeiam esses dois, principalmente Natalia, que desmascara os negacionistas quase todos os dias na TV. Mas talvez a figura mais relevante dos dois hoje seja Mendes, por ser um servidor público da ciência (dentro de um governo aliado da morte), com o poder de orientar ações decisivas na guerra contra a Covid-19.

Vida longa a esses dois como profissionais que se entregam a missão de esclarecer e iluminar. Quando a pandemia estiver longe, que os dois apareçam de vez em quando na TV aberta, para que o Brasil não se esqueça da contribuição que eles dão ao conhecimento acessível a todos ou quase todos.