SEGUNDO DADOS DO IMPERIAL COLLEGE, A PANDEMIA ESTÁ FORA DE CONTROLE NO BRASIL

Transmissão da covid no Brasil está sem controle, alerta Imperial College

Do UOL, em São Paulo

A transmissão da covid-19 no Brasil continua sem controle, com uma leve oscilação negativa, de acordo com um levantamento realizado pelo Imperial College de Londres. O levantamento é divulgado semanalmente e monitora o avanço da doença em diferentes países.
Os dados são da semana epidemiológica encerrada na última segunda-feira (8) e apontam que não há desaceleração do contágio. A universidade britânica aponta que o Rt brasileiro varia entre 0,91 até 1,05. Quando o Rt está acima de 1, os números indicam que o vírus continua avançando sem controle.

Com isso, as projeções para o Brasil apontam que o país pode registrar 7.460 óbitos de pacientes da covid-19 até a próxima semana. O número representa uma diferença de 92 vítimas fatais em relação às mortes que foram contabilizadas em um cenário mediano. Na pior das hipóteses, as mortes podem chegar até 7.960.
O único país que supera a projeção do Brasil é o México, com um total de 7.520 mortes previstas por covid-19. Apesar dos Estados Unidos estarem perto das 470 mil mortes geradas pelo vírus, dados sobre o país não aparecem no estudo.
No Reino Unido, a taxa de transmissão segue em 0,86 e a da África do Sul se manteve em 0,66. Os dois países seguem acompanhando o avanço de novas cepas da covid-19, assim como o Brasil.


Brasil registra quarta maior marca do ano em mortes

O Brasil apresentou a maior média de mortes por covid-19 no país ontem. Nos últimos 20 dias, o país registrou mais de mil vítimas na média de óbitos, segundo o levantamento captado pelo consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte. O último índice aponta que houve 1.340 mortes.
O dado é o maior em 12 dias, desde as 1.439 mortes registradas em 28 de janeiro. Os dados do consórcio de veículos de comunicação utilizam como base os informes enviados pelas secretarias estaduais de Saúde.
O Brasil totaliza 233.577 óbitos por covid-19 desde o início da pandemia, em março de 2020. Nos estados, sete apresentam aceleração nos casos, enquanto 14 permanecem estáveis e outros cinco têm queda nas contaminações.