UMA REFLEXÃO SOBRE O TEMPO

Por :falandoemliteratura.com

 Quem conseguir responder o que é o tempo, terá conseguido solucionar um dos grandes enigmas da humanidade. Parece fácil se pensarmos no tempo cronológico, nas horas, mas eu falo do tempo baixo uma perspectiva filosófica/antropológica/sociológica/psicológica/histórica e até científica. E sem citar a questão mitológica do tempo. É muito pensar…

Nós passamos, o universo não. Somos provisórios, o tempo não. O nosso entendimento sobre o perene é muito limitado. O nosso alcance também. Só entendemos do tempo sobre o que vemos no nosso mundo. Descartamos outros espaços, universos, atmosferas, dimensões, essas coisas nem são consideradas. Não temos como comparar, nem como entender melhor o que é o tempo. O homem é um bicho muito limitado.

Continue Lendo

FIM DA CORRUPÇÃO EXIGE “ESFORÇO E CIVISMO” QUE A CLASSE DOMINANTE É INCAPAZ DE FAZER

Por Jânio de Freitas

Se é para mudar

Na Folha, via GGN
Atribuir à reforma do sistema político a maneira de acabar com a alta corrupção é vender ou comprar ilusão. Mudar as regras da política é uma necessidade, mas por outro motivo: porque essas regras são ruins. Não proporcionam representatividade ao eleitorado de mais de 100 milhões de votantes, fazem o Congresso e os partidos ter um custo alucinante e, sem obrigação alguma dos congressistas, tornarem-se mais perniciosas do que úteis ao país.
Continue Lendo

MÍDIA, GREVE E “PÓS VERDADE”

Por  Assis Ribeiro – via Jornal GGN

A ampla paralisação dos setores trabalhistas e estudantis brasileiros no manhã do dia de hoje demonstra que nem sempre a pós-verdade formulada pelo sistema para nos convencer de que a realidade – como em uma Matrix – é outra diametralmente oposta daquela que nos apresenta pelos nossos sentidos.

Continue Lendo

STF ACABA COM TETO CONSTITUCIONAL E LIBERA “MEU BOCÃO, MINHA VIDA”

Por Fernando Brito-

Com apenas um voto contrário, o de Luiz Edson Fachin, o Supremo Tribunal Federal aprovou relatório de Alexandre de Moraes e liberou o pagamento de  remuneração de servidores públicos que acumular cargos (e aposentadorias) que ultrapasse  R$ 33,7 mil, o equivalente aos vencimentos de ministros do STF.

Eles próprios, inclusive, já que juízes podem acumular suas fuções com outras, como as de professor.

Continue Lendo