ARISTÓTELES: FELICIDADE COMO FIM DAS AÇÕES HUMANAS

Postado por Blog do Valentin

Em “Ética a Nicômaco”, Aristóteles defende que a felicidade é 1) o maior bem desejado pelos homens e 2) o fim das ações humanas. Vejamos agora um passo a passo para entender como ele formula esse pensamento.

1) O bem é aquilo a que todas as coisas tendem” (Aristóteles, 1973, p. 249).

Podemos ver aqui que a filosofia aristotélica é teleológica, ou seja, está orientada por uma finalidade (telos, em grego, significa “fim”). Na “Ética a Nicômaco”, a finalidade é identificada como o “bem”, ou seja, dizer que todas as ações tendem a um fim é o mesmo que dizer que todas as coisas tendem a um bem.

Continue Lendo

ARISTÓTELES E A ÉTICA DAS VIRTUDES

Postado por Valentin Ferreira

O filósofo grego Aristóteles, nascido em 384 a.c. foi um dos personagens mais influentes na cultura da civilização ocidental. Uma de suas obras clássicas foi Ética a Nicômaco onde aborda o que muitos consideram a fundação da ética.

A ideia central da obra é de que o caminho para uma vida de bem-estar e felicidade, o que chamou de eudaimonia, está no desenvolvimento da excelência de caráter. A excelência do caráter por sua vez é atingida por meio do cultivo a virtudes, ao que deu o nome de aretê.

Aristóteles buscou estudar como viver melhor atribuindo isso à excelência de conduta. Considerou a pessoa excelente como sendo a pessoa virtuosa. Não colocou uma lista de regras a serem seguidas. O que se deve buscar é focar em ser uma boa pessoa que as ações corretas irão surgir na hora necessária.

Continue Lendo