JESUS VOLTOU; DEU RUIM

Ilustração de Adams Carvalho para a coluna de Antonio Prata – Adams Carvalho

Quando estava a pregar do alto do Masp, os fariseus enfim se encresparam

Por Antonio Prata

Eis que, conforme amplamente anunciado, Jesus voltou. Não apareceu em Nova York ou Paris, no Vaticano ou Aparecida, nem mesmo na Judeia, Galileia ou Samaria. O filho de Deus reencarnou dentro de uma caçamba, às 14:37 de uma quarta-feira, atrás da Estação da Luz.

Do alto dos entulhos, pôs-se a falar e a cuidar dos enfermos e a acalmar os aflitos; a arrancá-los do vício e da solidão; e o vinho transformou em água e as pedras transformou em pão; e logo viram os que ali estavam que se tratava do filho de Deus; e a eles, ouvindo as boas novas, vieram se juntar muitos; e foi o fim de suas tribulações.

Continue Lendo

O PATRIOTISMO DE BOLSONARO

Bandeira dos EUA em manifestação em favor de Bolsonaro em 3 demaio de 2020Imagem: Foto: Ueslei Marcelino – Reuters

Patriotismo seria Jair dizer por que Michelle recebeu R$ 89 mil de Queiroz.

Por Leornaro Sakamotoo/UOL

Jair Bolsonaro usou um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, no Dia da Independência, nesta segunda (7), para trazer um punhado de ficção aos lares dos brasileiros. Mas nada comentou sobre três coisas que todos estão ansiosos por ouvir: de onde virá o dinheiro para manter parte do auxílio emergencial na forma de Renda Brasil? Como seu governo vai fomentar a geração de empregos sem tirar proteções dos trabalhadores? Por que Michelle recebeu R$ 89 mil de Queiroz e esposa? Um presidente que ama a pátria, como ele diz amar, responderia tudo isso. Principalmente, a última questão.

Continue Lendo

NA FILA DA CAIXA NINGUÉM LÊ A REVISTA “PIAUÍ”

Bailarinas de Paraisópolis voltam às aulas após a paralisação pela covid-19, em 6 de agosto.FERNANDO BIZERRA / EFE

A alta na avaliação de Bolsonaro assusta os que defendem a democracia, mas faz o alerta sobre o flanco aberto quando não se tem firmeza e coragem para defender a população e a liberdade

Por Carla Jiménez / El País

Como um presidente que ofende mulheres, negros, tem arroubos golpistas e trata com desdém a morte de mais de 107.000 pessoas por covid-19 pode gozar e elevar seu prestígio perante a população? Essa é a pergunta que rodou o Brasil refratário ao presidente Jair Bolsonaro depois do resultado da pesquisa Datafolha desta sexta. O instituto mostra uma queda na rejeição ao Governo de Bolsonaro em plena pandemia. De 44% em junho para 34% este mês. Nesse período, o presidente intensificou a defesa da hidroxicloroquina, soltou frases ora corrosivas ora desprezíveis sobre as mortes por coronavírus, e seu aliado Fabrício Queiroz foi preso, depois de ser encontrado escondido em imóvel do então advogado da família Bolsonaro. Nem mesmo as investigações que avançam contra seu filho Flávio afetaram a imagem do presidente.

Continue Lendo

IDEIAS E IDEAIS

Por Valentin Ferreira

Conhecendo um pouco a história do Presidente da República e sua trajetória de mais de 30 anos na política, nada se pode esperar além daquilo que está fazendo.

Testado nas dificuldades inerentes ao cargo que ocupa, não tem ideias e experiência que possam socorrê-lo. Assim tira de seu saco de proezas as limitações e reações de sempre. Sem propostas, sem plano de governo, sem ideias na cabeça, parte para a confrontação diuturna com inimigos reais ou imaginários.

Enfraquecido a cada dia, acena com medidas de força e confrontação que passa ao longe do debate democrático e do respeito à Lei Maior que jurou cumprir.

Em sua fragilidade, busca se cercar cada vez mais de militares que hoje ocupam os principais ministérios do seu governo. Deslumbrados com o poder e com a segurança que as armas lhes dão, alguns generais, não têm economizado na confrontação, como fez o Ministro Augusto Heleno no dia de ontem.

Na falta de soluções que tragam respostas aos graves problemas que a nação enfrenta, este governo, no limite, não respeitará a Constituição. Exaurido pelo excesso do que não possui, poderá usar a força para se manter no poder. A que preço? A História … Continue Lendo

ELITE BRASILEIRA COSTUMA ACHAR QUE É DEMOCRATA, MAS NÃO GOSTA DE POVO

Postado por Blog do Valentin

O silêncio das pesquisas de opinião esconde o verdadeiro Brasil sob o disfarce bolsonarista

Por Marcos Coimbra 

Alguém se lembra de quantas pesquisas nacionais de opinião foram publicadas em outubro? E nos últimos três meses? E do início do ano para cá?

Com alguma boa vontade, chegamos a um número próximo a dez pesquisas tecnicamente defensáveis desde janeiro, léguas abaixo do padrão internacional e aquém daquilo que o tamanho e a complexidade do País justificariam.

Nos Estados Unidos, apenas em outubro, foram publicadas 85 pesquisas de âmbito nacional a respeito de Donald Trump. Se excluirmos os resultados de tracking polls, restam 41 pesquisas convencionais, como aquelas que fazemos no Brasil. Os principais veículos de comunicação encomendaram oito, em uma média de duas por semana. Sete universidades promoveram as suas, assim como fundações privadas e consultorias. Empresas tradicionais de pesquisa realizaram várias.

Continue Lendo