RESTAURAR O ESTADO É PRECISO

Postado por Valentin Ferreira

‘Só consigo enxergar alguma possibilidade de cura desse estado de astenia e de reordenação das bases democráticas a partir de uma maciça convocação e ação dos jovens’

Por Maria Conceição Tavares / do Brasil Debate

Vivemos sob a penumbra da mais grave crise da história do Brasil, uma crise econômica, social e política. Enfrentamos um cenário que vai além da democracia interrompida. A meu ver, trata-se de uma democracia subtraída pela simbiose de interesses de uma classe política degradada e de uma elite egocêntrica, sem qualquer compromisso com um projeto de reconstrução nacional – o que, inclusive, praticamente aniquila qualquer possibilidade de pactação.

Hoje, citar um político de envergadura com notória capacidade de pensar o país é um exercício exaustivo. O Congresso é tenebroso. A maioria está lá sabe-se bem com que fins. O elenco de governadores é igualmente terrível. Não há um que se sobressaia. E não vou nem citar o caso do Rio porque aí é covardia. O “novo” na política, ou o que tem a petulância de se apresentar como tal, é João Doria, na verdade um representante da velha extrema direita.

Continue Lendo

TRÊS CENÁRIOS PARA TEMER: RENÚNCIA, CASSAÇÃO E “SARNEYZAÇÃO”

Por Valentin Ferreira /Via Rede Brasil AtualMichel Temer
                                                                                                         Foto :Beto Barata/PR
Na hipótese de resistir no cargo, Temer deve perder força e tornar-se dependente da equipe econômica e da fisiologia no Congresso
por Antônio Augusto de Queiroz publicado /Rede Brasil Atual
O eventual desembarque do PSDB certamente seria acompanhado por seus potenciais aliados no pleito de 2018, e isto poderia deixar o presidente sem condições de barrar na Câmara a abertura do processo

A perda acelerada de legitimidade e das reais condições de governabilidade do governo Temer sinalizam para uma enorme dificuldade de o presidente concluir seu mandato, seja em razão da crise ético-moral que atinge seu governo, seja pelas dificuldades fiscais e pela incapacidade de aprovar as reformas que prometeu quando de sua efetivação, e cuja promessa de delivery (entrega) contava com uma aceitação quase bovina, pelo Congresso e pela sociedade, de seus conteúdos.

Continue Lendo