UMA SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Clara Figueiredo, a cúpula econômica do governo segue a passos firmes, fotomontagem digital, 2020

Por Guido Mantega

A economia brasileira terminou 2021 estagnada e vai continuar assim por todo o ano de 2022

No final de 2022 poderemos comemorar o enterro de um dos piores governos da história republicana brasileira. Se for feita uma autópsia no cadáver do bolsonarismo, serão descobertos fortes indícios de um neoliberalismo anacrônico, que não é mais praticado em nenhum país importante do mundo.

A economia brasileira terminou 2021 estagnada e vai continuar assim por todo o ano de 2022. De acordo com a pesquisa Focus do Banco Central (03/01/22), o crescimento do PIB de 2022 não deve passar de 0,36%.

Continue Lendo

O EVANGELHO DA FOME

Desemprego e miséria, gêmeos siameses, assolam dezenas de milhões de famílias brasileiras. O clima é de derrota, mas até quando? “Metade da humanidade não come; e a outra não dorme, com medo da que não come”, já disse Josué de Castro]

Por Roberto Malvezzi / O.Palavras

O melhor critério para avaliar o atual governo, que compreende todos os envolvidos no golpe de 2015, é a fome. São mais de 100 milhões de brasileiros em insegurança alimentar e 19 milhões na miséria absoluta. Ao sepultar o Programa 1 Milhão de Cisternas (P1MC) o atual governo também ressuscitou a sede.

Continue Lendo

“BICO” CRESCE E BRASIL PAGA CADA VEZ MENOS

Com taxa de desemprego nas alturas, trabalhadores têm topado ganhar cada vez menos.
Foto: Agência Brasil

O famoso “bico” tem crescido no Brasil. A precarização do trabalho avança como reflexo do desemprego no país. Entre o segundo trimestre de 2019 e o segundo de 2021, o número de brasileiros nesta condição aumentou em mais de dois milhões. A situação se caracteriza por pessoas que não têm carteira assinada ou qualquer vínculo formal e recebem menos de um salário mínimo mensalmente (R$ 1,1 mil).

No segundo trimestre de 2019, 48,2% dos trabalhadores atuavam por conta própria. Hoje, a porcentagem já atinge mais da metade da população: 55,6%. Os dados são da consultoria Idados, feitos a partir de levantamento da Pnad Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Continue Lendo