“O MEU EXÉRCITO”

Quem vai respeitar generais que não respeitam o Exército?

Por Fernando Brito

Não somos apenas nós, mas seus colegas generais, como Hamilton Mourão e Santos Cruz, que diziam ser impensável que Eduardo Pazuello deixasse de ser punido por ir, sendo general da ativa, a um comício político do Presidente.

Durante dias, dezenas de jornalistas acreditaram no que lhes diziam fontes fardadas e estreladas: a punição viria, para não se estabelecer a anarquia nas tropas.

Pior: todos compreendiam e aceitavam que ela fosse branda, mais para sinalizar que para castigar, para que não se criasse uma crise com Jair Bolsonaro, em nome da institucionalidade.

Continue Lendo

OS EXTREMISTAS QUE AMEAÇAM A ORDEM, A DISCIPLINA E A HIERARQUIA

Por Moisés Mendes

Os militares sempre temeram as ameaças do comunismo e de todo tipo de ‘subversão’ ao que achavam e acham politicamente aceitável.

A submissão à paz e à ordem foi argumento para todos os desatinos cometidos durante a ditadura. É tudo que não temos hoje.

Em novo estágio do blefe do golpe, Bolsonaro desrespeita os estatutos que devem ser obedecidos pelos militares e impõe a desordem como método.

Tudo para provocar os chefes militares, como comandante supremo das Forças Armadas, e criar o ambiente para um governo com poderes absolutos.

Continue Lendo

MENTIRAS DE PAZUELLO NA CPI SÃO QUASE UMA ADMISSÃO DE CULPA

Por Bruno Boghossian

Eduardo Pazuello prestou um serviço à CPI da Covid. No primeiro dia de depoimento do general, os senadores queriam saber detalhes sobre a sabotagem do governo à negociação de vacinas e sobre a tentativa de empurrar cloroquina para a população. O ex-ministro mentiu tanto sobre esses assuntos que praticamente entregou aos investigadores uma admissão de culpa.

O general sabe o que fez à frente do Ministério da Saúde. Na CPI, ele tenta reescrever essa história porque sabe que a realidade é uma coletânea de atos que contribuíram para o agravamento da pandemia. Pazuello tentou se proteger e blindar o chefe Jair Bolsonaro, mas acabou mostrando que o governo tem medo de seus próprios delitos.

Continue Lendo