O JUGO DA ESCRAVIDÃO MACHISTA

Não foi à toa que o autor sagrado colocou a mulher como vítima dos olhos vigilantes dos mestres da Lei e não um homem (Lumo Project/Free Bible Images)

Por Solange Maria do Carmo*

A cena é comovente e sua crueldade mostra como as partes frágeis estão sempre subjugadas ao domínio dos fortes. A mulher vem trazida por um bando de machos moralistas, sem nenhum direito e nenhuma defesa. Está muda, e muda permanece. Quanto aos que a condenam, não economizam palavras: a mulher foi pega em adultério e deve morrer segundo a Lei de Moisés (v. 5). Já está dado o veredito. Levam-na a Jesus unicamente para que ele avalize a decisão já tomada. Como um judeu circuncidado e sujeito à Lei, não lhe cabia outra decisão a não ser concordar com a sentença. Estavam colocando Jesus à prova, pois a centralidade que a misericórdia ocupava em sua pregação não deixava dúvidas que a regulamentação da Torá carecia de superação (v. 6).

Continue Lendo

JESUS VOLTOU; DEU RUIM

Ilustração de Adams Carvalho para a coluna de Antonio Prata – Adams Carvalho

Quando estava a pregar do alto do Masp, os fariseus enfim se encresparam

Por Antonio Prata

Eis que, conforme amplamente anunciado, Jesus voltou. Não apareceu em Nova York ou Paris, no Vaticano ou Aparecida, nem mesmo na Judeia, Galileia ou Samaria. O filho de Deus reencarnou dentro de uma caçamba, às 14:37 de uma quarta-feira, atrás da Estação da Luz.

Do alto dos entulhos, pôs-se a falar e a cuidar dos enfermos e a acalmar os aflitos; a arrancá-los do vício e da solidão; e o vinho transformou em água e as pedras transformou em pão; e logo viram os que ali estavam que se tratava do filho de Deus; e a eles, ouvindo as boas novas, vieram se juntar muitos; e foi o fim de suas tribulações.

Continue Lendo

STF COMEÇA A SER JULGADO

Postado por Blog do ValentiN

Por Carol Proner

“O que se julga, aos olhos da opinião pública e da sociedade brasileira, é a autoridade do STF para exercer limites às excentricidades interpretativas que insistem em flexibilizar ou suprimir as garantias constitucionais do devido processo e da ampla defesa”, escreve a jurista Carol Proner sobre o julgamento acerca da prisão em segunda instância

A garantia da presunção de inocência é coisa séria e vem de longe. De Justiniano aos nossos dias, prevista no direito islâmico, na tradição romano-germânica, atravessou o medievo e ganhou os códigos da ilustração, as declarações e pactos sobre direitos civis e políticos do século XX, atingindo o ápice na forma de consenso universal, expresso no artigo 11 da Declaração de 1948: “1. Todo ser humano acusado de um ato delituoso tem o direito de ser presumido inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa”.

Continue Lendo

O FAZ TUDO

Por Blog do Valentin

RESUMO DOS VAZAMENTOS EM 3 PONTOS
  1. Mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil indicam troca de colaboração entre Moro, então juiz, e Deltan, procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato.
  2. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo
  3. Vazamento pode levar à anulação de condenações proferidas por Moro, caso haja entendimento que ele era suspeito (comprometido com uma das partes). Isso inclui o julgamento do ex-presidente Lula (FSP)
Continue Lendo

PENSAR É DIFÍCIL. É POR ISSO QUE AS PESSOAS PREFEREM JULGAR

Postado por Blog do Valentin

“Pensar é difícil, é por isso que as pessoas preferem julgar “, escreveu Carl Gustav Jung. Na época da opinião, onde tudo é julgado e criticado, muitas vezes sem uma base sólida, sem uma análise prévia e sem um profundo conhecimento da situação, as palavras de Jung assumem maior destaque, tornando-se quase proféticas.

Julgar nos empobrece

Identificar o ato de pensar com o ato de julgar pode nos levar a viver em um mundo distópico mais típico dos cenários imaginados por George Orwell do que da realidade. Quando os julgamentos suplantam o pensamento, qualquer indício se torna evidência, a interpretação subjetiva torna-se uma explicação objetiva e a mera conjectura adquire uma categoria de evidência.

Continue Lendo