QUEM NUNCA SENTIU ANSIEDADE ALGUMA VEZ, ATIRE A PRIMEIRA PEDRA

ansiedade traz uma sensação de nervosismo mesmo antes que as coisas aconteçam, como em um primeiro encontro, uma mudança de casa, uma entrevista de emprego, entre outras situações. As mãos começam a suar, o coração bate acelerado e ficamos com um frio constante na barriga. Se sentir ansioso pode causar dificuldades para cair no sono, relaxar ou se concentrar em alguma coisa, pois seus pensamentos estão agitados dentro da cabeça. O apetite também pode ser afetado, fazendo-o perder a fome ou comer demais. Você pode chorar desesperadamente, ou ter vontade de buscar a tranquilidade no colo de alguém.

Pessoas sensitivas costumam ser mais criativas e ter uma mente ativa, mas isso também as torna mais suscetíveis a ter ansiedade. Nossos pensamentos podem projetar qualquer tipo de situação negativa para alimentar a ansiedade e torna-la cada vez pior. Por conta de uma diferença biológica no sistema nervoso, tendemos a absorver mais estímulos do ambiente – como detalhes que outros não sentem e até a emoção das pessoas – o que leva a uma sobrecarga emocional.

Continue Lendo

“A SOCIEDADE BUSCA NO CONSUMO UMA VÁLVULA DE ESCAPE PARA PREENCHER O VAZIO DE SENTIMENTOS”

AS FACES DA SOCIEDADE LÍQUIDA

Por Douglas Henrique Reginato

O conceito de liquidez trazido por Zygmunt Bauman (Escritor e Sociólogo Polonês) no início desse século não seria tão válido se não fosse tão real e totalmente aplicável à sociedade atual em suas inúmeras áreas. Como cita o autor “A passagem da fase “sólida” da modernidade para a “líquida” – ou seja, para uma condição em que as organizações sociais (estruturas que limitam as escolhas individuais, instituições que asseguram a repetição de rotinas, padrões de comportamento aceitável) não podem mais manter sua forma por muito tempo (nem se espera que o façam), pois se decompõem e se dissolvem mais rápido que o tempo que leva para moldá-las e, uma vez reorganizadas, para que se estabeleçam”.

É notável que o novo modelo de sociedade traga uma série de benefícios e ao mesmo tempo consequências irreparáveis. Os novos estilos de vida, tecnologias revolucionárias, relacionamentos humanos, competitividade selvagem e exposição diante de um mundo sem direção ou garantia gera um verdadeiro “Admirável Mundo Novo” onde a sociedade, o tempo e a vida são líquidos. A seguir são apresentados alguns comentários acerca das faces marcantes da sociedade atual:

Continue Lendo

A RELIGIÃO DO MEDO: “DÃO MAIS VALOR AO DIABO QUE A DEUS”

Coppo di Marcovaldo (atribuição), Inferno, mosaico, 1250-70. Batistério de São João, Florença, Itália.

A RELIGIÃO DO MEDO

Muitos cristãos foram educados na religião do medo. Medo do inferno, das chamas eternas, das artimanhas do demônio. E quando o medo se apodera de nós, adverte Freud, transforma-se em fobia. Recurso sempre utilizado por instituições autocráticas que procuram impor seus dogmas a ferro e fogo, de modo a induzir as pessoas a trocar a liberdade pela segurança.

Frei Betto

Quando se abre mão da liberdade, demite-se a consciência crítica, omite-se perante os desmandos do poder, acovarda-se agasalhado pelo nicho de uma suposta proteção superior. Foi assim na Igreja da Inquisição, na ditadura estalinista, no regime nazista. É assim a xenofobia ianque, o terrorismo islâmico e os segmentos religiosos que dão mais valor ao diabo que a Deus, e prometem livrar os fiéis de males através da vulgarização de exorcismos, curas milagrosas e outras panaceias para enganar os incautos.

Continue Lendo

“ELITE BRASILEIRA É COLONIZADA E MORRE DE MEDO DE POBRE”, diz Hildegard Angel

Hildegard Angel (Foto: Ederson Casartelli)

“É uma elite totalmente colonizada, culturalmente e intelectualmente, em todos os aspectos. Ela não gosta do Brasil. Ela acha o brasileiro feio, mas ela se acha linda”, diz a jornalista

A jornalista Hildegard Angel, uma das principais colunistas do Brasil, traçou um duro retrato da elite brasileira em entrevista ao Tutaméia, de Eleonora e Rodolfo Lucena. “O básico é o medo. É a manipulação do medo. O medo da elite é perder o que tem, seja muito seja pouco seja mais ou menos. Ter suas casas invadidas, ter que pagar impostos sobre o seu pequeno apartamentinho. Essa pequena elite que não é elite quer ter roupas importadas, não quer prestigiar a indústria brasileira.

Continue Lendo

O MEDO DE SER LIVRE PROVOCA O ORGULHO EM SER ESCRAVO

Do Pensar Contemporâneo

Há no homem um desejo imenso pela liberdade, mas um medo ainda maior de vivê-la. Algo parecido disse Dostoiévski, ou talvez eu esteja dizendo algo parecido com o dito pelo escritor russo.

No entanto, como seres significantes que somos, analisamos as coisas sempre a partir de uma determinada perspectiva e, assim, passamos a atribuir-lhes valor. Dessa maneira, até conceitos completamente opostos, como liberdade e escravidão, podem se confundir ou de acordo com o prisma de quem analisa, tornarem-se expressões sinônimas, como acontece no mundo distópico de George Orwell, 1984, em que um dos lemas do partido – “Escravidão é Liberdade” – é repetido à exaustão.

Continue Lendo

PSICOLOGIA SOLIDÁRIA: O QUE NÃO PODEMOS MUDAR, NÃO DEVE NOS ATORMENTAR

Cuide do presente, do que acontece agora, dentro de você e do seu lar

Por Livia Rocha(*)/ RBA

O ser humano, em geral, não lida bem com limites e falta de controle. A frustração, a privação dos prazeres imediatos e a desgarantia geram ansiedade, angústia, desconforto. Começamos a agir de forma impensada ou tentando achar garantias, numa busca ilusória de controle do futuro. Diante do desconhecido – como esse período de pandemia, quarentena e isolamentos – o medo se instala.

E, como resposta biológica, provoca reações bioquímicas que suprimem nossa capacidade de pensar de forma lógica. Mas além das questões biológicas, outra circunstância imperiosa se manifesta: nosso psiquismo.

Continue Lendo