SOBRE A NOTA DO MINISTÉRIO DA DEFESA

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Desde a última ditadura, a representação política viveu intimidada pelos militares

Em 1979, acatou uma anistia que preservou praticantes do terrorismo de Estado que atentaram contra a humanidade. Na Constituinte de 1988, através do Artigo 142, reconheceu os superpoderes das corporações armadas. O Ministério da Defesa, organismo essencialmente político, foi entregue ao desígnio do militar. Os negócios da Defesa foram simploriamente assimilados como assuntos militares. Com uma tuitada um general condicionou as últimas eleições presidenciais. Com o país em profunda crise multidimensional, a representação política admitiu que Bolsonaro concedesse privilégios a perder de vista à “família militar”.

Continue Lendo

QUEM ATACOU AS INSTITUIÇÕES NESTA QUARTA FOI O BOLSONARO. E AÍ, BRAGA NETO? Por Reinaldo Azevedo

Braga Netto: nota do ministro da Defesa e dos comandantes militares, com efeito, cheira muito mal. Além de ser mentirosa sobre o que disse Omar Aziz. Imagem: Foto: Sérgio Lima/Brasil 360

UOL

O general Braga Netto e os comandantes militares andam com os dedos nervosos para escrever como quem recorre ao coldre? Pois, então, que procurem no lugar certo os que ameaçam a democracia e os Poderes, de cuja independência são garantidores.

Ninguém ameaça dar golpe na CPI.

Ninguém ameaça a institucionalidade na CPI.

Ninguém promete violar a Constituição na CPI.

Mas é precisamente o que faz aquele que a Constituição define como comandante supremo das Forças Armadas — desde, é claro, que se comporte dentro do que prevê a própria Carta.

Continue Lendo

INQUÉRITO SOBRE COVAXIM ATINGE CÚPULA MILITAR NA SAÚDE

Por Fernando Brito

A decisão da Procuradora da República Luciana Loureiro de transferir para área criminal “a investigação sobre a compra da vacina indiana Covaxin ao identificar indícios de crime no contrato entre o Ministério da Saúde do governo do presidente Jair Bolsonaro e a Precisa Medicamentos” atinge em cheio a “tropa” militar levada para o Ministério da Saúde por Eduardo Pazuello.

Porque o general que operou o Ministério para Bolsonaro teve um especial cuidado em colocar sobre controle de militares todas as áreas que lidavam com compras e repasses de dinheiro e, portanto, para as operações de aquisição de vacinas.

Continue Lendo

O PAPEL CENTRAL DE FACHIN NA REMILITARIZAÇÃO DO PAÍS. Por Luis Nassif

Ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, em foto de arquivo
Foto: Rosinei Coutinho – 20.abr.2017/SCO/STF

Originalmente publicado por Jornal GGN

Quando o general Villas Boas publicou seu tuíte, na véspera de uma votação relevante de um caso envolvendo Lula, com óbvia intenção de pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF), apenas o Ministro Celso de Mello reagiu. Relator do caso, Luiz Edson Fachin se calou. Agora se manifesta, com uma indignação tardia.

O que estaria por trás disso? Simples: a manifestação de Villas Boas vinha em apoio ao próprio Fachin, peça central da operação para tirar Lula das eleições. Visava intimidar os demais Ministros, Carmen Lúcia, Rosa Weber, Dias Toffoli.

Continue Lendo

FORÇAS ARMADAS MANDAM OUTRO RECADO A BOLSONARO

Por Moises Mendes

Um dia depois das manifestações do comandante do Exército, Edson Pujol, de que os militares não estão a serviço de governos e de partidos, mas do Estado e do país, hoje há mais um recado a Bolsonaro.

Desta vez, uma nota em defesa da missão constitucional dos militares, com a mesma mensagem: não há como misturar as atividades dos quartéis com as do governo.

O documento foi emitido pelo Ministério da Defesa, com a assinatura de todos os chefes militares. O texto reafirma que as Forças Armadas são apartidárias.

A nota é assinada pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e pelos comandantes da Marinha (Ilques Barbosa Júnior), Exército (Edson Leal Pujol) e Aeronáutica (Antonio Carlos Moretti Bermudez).

Continue Lendo

FIRMEZA DE MOURÃO NÃO É A DE OPINIÃO PESSOAL

Imagem: Folha/UOL

Por Janio de Freitas

O firme pronunciamento do vice Hamilton Mourão, contraposto a afirmações incisivas de Bolsonaro, suscita duas interpretações, mas é provável que as duas sejam uma só, com duas roupagens. E, como preliminar, note-se que o dito pelo vice tem mais do que o sentido de confronto, estendendo-se a importante inversão nas relações externas.

Bolsonaro vetou a compra, em qualquer tempo, de vacina chinesa contra a Covid-19: “Não vai haver compra, ponto final”. Antes, usou do mesmo tom definitivo a propósito do sistema 5G, que revolucionará as possibilidades de comunicações. Atrasados na criação do seu sistema, os Estados Unidos de Trump não admitem que o Brasil adote o sistema chinês, o qual, além da vantagem em tempo, evitaria custosas mudanças nos equipamentos de telecomunicações usados aqui, com muitos componentes chineses.

Continue Lendo