NO ECLIPSE DO BRASIL, SUPREMO, CENTRÃO, GENERAIS, PASTORES E RURALISTAS DOMINAM A CENA

O obscurantismo é, por enquanto, o movimento social mais forte

Por Vinicius Torres Freire / Folha

Nada de relevante vai acontecer na economia até que saibamos do ritmo da despiora. Pouco vamos saber da despiora até que se conheça o efeito do fim dos auxílios e socorros, mais de meio trilhão de reais, a partir de setembro e olhe lá.

Em si mesmas, uma despiora lentíssima ou uma recaída não provocam efeito político imediato, se algum. Por exemplo, Jair Bolsonaro se cansar de Paulo Guedes ou sua popularidade baixar aos 10%.

Não há oposição do establishment a Guedes. É improvável que militares ou pastores digam outra coisa no ouvido do seu capitão, os donos do dinheiro grosso muito menos, mesmo que o ministro dê mais foras. 

Continue Lendo

FORÇAS ARMADAS, POPULAÇÕES INDÍGENAS, GILMAR MENDES E O GENOCÍDIO

Bolsonaro e Gilmar Mendes – Foto Orlando Brito

Por Murilo Cesar Ramos / Os Divergentes

A semana de 13/07 iniciou com uma reação coordenada do ministro da Defesa e dos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica, pedindo à Procuradoria Geral da República que apure as circunstâncias das declarações do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, feitas no sábado, dia 11, em live promovida pela revista Isto É. Em alusão à ocupação militar promovida por Jair Bolsonaro no Ministério da Saúde, com consequências negativas para o combate à epidemia da covid 19, que ele vê como fora de controle, disse Gilmar: “Isso é péssimo para a imagem das Forças Armadas. É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. É preciso pôr fim a isso”.

Continue Lendo

FLÁVIO DINO: MILITARES NÃO PODEM ESTAR ATRELADOS A “UMA FACÇÃO EXTREMISTA E PASSAGEIRA”

Flávio Dino, Governador do Maranhão

O governador do Maranhão, Flávio Dino (Pc do B) criticou na noite deste domingo (12) a cúpula militar brasileira por sua reação à manifestação do ministro do STF Gilmar Mendes, que afirmara sábado estar o Exército “se associando a esse genocídio”, numa referência à ocupação militar do Ministério da Saúde. Segundo Dino, a cúpula das Forças Armadas “não pode estar atrelada ou subordinada a um lado da política brasileira. Pior quando se cuida de uma facção extremista e passageira”.

Em um tweet, Dino afirmou: “A cúpula das Forças Armadas deve entender que uma instituição de ESTADO – que exerce monopólio de uso da força em nome da NAÇÃO – não pode estar atrelada ou subordinada a um lado da política brasileira. Pior quando se cuida de uma facção extremista e passageira”.

Continue Lendo

IDEIAS E IDEAIS

Por Valentin Ferreira

Conhecendo um pouco a história do Presidente da República e sua trajetória de mais de 30 anos na política, nada se pode esperar além daquilo que está fazendo.

Testado nas dificuldades inerentes ao cargo que ocupa, não tem ideias e experiência que possam socorrê-lo. Assim tira de seu saco de proezas as limitações e reações de sempre. Sem propostas, sem plano de governo, sem ideias na cabeça, parte para a confrontação diuturna com inimigos reais ou imaginários.

Enfraquecido a cada dia, acena com medidas de força e confrontação que passa ao longe do debate democrático e do respeito à Lei Maior que jurou cumprir.

Em sua fragilidade, busca se cercar cada vez mais de militares que hoje ocupam os principais ministérios do seu governo. Deslumbrados com o poder e com a segurança que as armas lhes dão, alguns generais, não têm economizado na confrontação, como fez o Ministro Augusto Heleno no dia de ontem.

Na falta de soluções que tragam respostas aos graves problemas que a nação enfrenta, este governo, no limite, não respeitará a Constituição. Exaurido pelo excesso do que não possui, poderá usar a força para se manter no poder. A que preço? A História … Continue Lendo

QUEM O COLOCOU ALI?

Fotomontagem:Blog do Valentin

Jair Bolsonaro já havia tomado a decisão de demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas foi convencido na final da tarde desta segunda-feira, 6, a mudar de ideia pela ala militar do governo. 

Segundo a revista Veja, Bolsonaro teria sido convencido por militares, como os ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, de que a melhor decisão seria manter o ministro por enquanto.(247)

Continue Lendo