CRÔNICA DE UM GENOCÍDIO ANUNCIADO. Por Frei Betto

O atual ministro, general Pazuello, não é médico, e pouco depois de ser empossado
admitiu que, até então, desconhecia o SUS (Tony Winston/MS)

Todo esse quadro necrófilo resulta da inoperância de um presidente e de um governo genocida

Tudo indica que o Brasil será o último país a ter a sua população imunizada contra a Covid-19 e, em breve, haverá de superar os EUA em número de mortos, devido ao descaso do governo Bolsonaro. Nesta terceira semana de janeiro, já temos mais de 212 mil vítimas fatais. A cada dia, mais de mil pessoas morrem contaminadas pelo coronavírus.

Bolsonaro sofre de tanatomania, tendência patológica de satisfação com a morte alheia. Agora a situação se agrava com a falta de oxigênio e leitos nos hospitais. Terrível paradoxo: falta oxigênio aos pacientes dos estados do Amazonas e do Pará, ambos na Amazônia, tida como pulmão do planeta. Muitos morrem por asfixia. E ironia do destino: Maduro, execrado pelo governo, reabastece o Amazonas de oxigênio.

Continue Lendo