EMPRESAS NÃO CONTRATAM, DE OLHO NA REFORMA TRABALHISTA

Postado por Valentin Ferreira

Por Fernando Brito/Tijolaço

Os economistas ouvidos pelo jornal Valor previam 26 mil empregos a mais em novembro.

Já era um quase nada.

O resultado, porém, foi pior: mais de 12 mil vagas fechadas.

A contratações de “trabalhadores intermitentes”, aquela vergonha que leva pessoas a terem remuneração mensal de menos de R$ 200 foi um fiasco: apenas três mil contratações, em todo o país.

Das duas, uma, ou ambas: ou as empresas esperam antes de correrem os riscos de uma legislação que está mais do que questionada judicialmente ou a tal “retomada da economia” é uma marolinha, apesar do foguetório da mídia com as vendas de Natal.

Propaganda não faz progresso econômico.

Escravidão também não.

Continue Lendo

JUIZ NÃO APLICA REFORMA TRABALHISTA E REVERTE DEMISSÃO EM MASSA

Postado por Valentin Ferreira
Juiz não aplica reforma trabalhista e reverte demissão em massa

Do Blog desacato.info/

Ao não aplicar a reforma trabalhista, que entrou em vigor no último dia 11, um juiz de São Paulo (SP) reverteu a demissão em massa de mais de 100 funcionários de um grupo hospitalar da capital paulista. O pedido foi feito pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), que ajuizou ação civil pública em outubro após denúncias de que as dispensas em massa, sem negociação coletiva com o sindicato da categoria, teriam sido causadas por um processo de terceirização ilícita.

De acordo com o MPT, ao todo, os hospitais demitiram, em setembro, 68 fisioterapeutas e 62 empregados de outras categorias, e terceirizaram todo o setor de fisioterapeuta. Para o órgão, a dispensa foi abusiva por ter sido realizada sem negociação coletiva prévia. E, mesmo que a nova Lei da Terceirização autorize a contratação de profissionais para realizar a atividade-fim da empresa, a legislação não autoriza a modificação unilateral de contratos de trabalho, caso de demissões em massa, segundo o MPT.

Continue Lendo

COMÉRCIO E SERVIÇOS DEVEM TESTAR REFORMA TRABALHISTA NO NATAL

Postado por Valentin Ferreiravendas shopping.jpgComércio deve contratar 73 mil temporários para o Natal e parte disso já pode ser intermitente
Por Dimalice Nunes —Carta Capital
Após publicação de medida provisória, regras ficaram mais claras e empregadores podem adotar o trabalho intermitente já nas contratações de fim de ano

Uma reforma feita por encomenda para o comércio e o setor de serviços e que altera um consolidado de regras pensadas para um país industrial. É assim que especialistas avaliam a reforma trabalhista, que modifica pelo menos 100 pontos da CLT e entrou em vigor nesta semana.

Agora, com a publicação da medida provisória que regulamenta pontos até então obscuros, as empresas podem se sentir mais à vontade para colocar em prática novas modalidades de contrato de trabalho, como a jornada intermitente, quando o trabalhador recebe apenas pelas horas que efetivamente trabalhou.

Continue Lendo