SISTEMA DE ÓDIO TEM O OBJETIVO DE MATAR GENTE E DESUMANIZAR O RESTO

Publicada nesta quarta-feira, 24 de março de 2021 – André Stefanini/Folhapress

Por Marcelo Coelho

Há cem anos, uma peça de teatro apresentava ao mundo a palavra “robô”. Foi escrita pelo tcheco Karel Capek (1890-1938), e se chamava “R.U.R.” —esta a sigla da empresa que produzia os tais autômatos.

Não eram bem robôs de lata, como víamos nos antigos desenhos animados. Correspondiam mais a androides, feitos de proteína sintetizada em laboratório. A fábrica faz sucesso, liberando a humanidade de qualquer tipo de trabalho.

A palavra “robô” entrou para o vocabulário comum, mas a peça de Capek ficou bem menos conhecida. Não achei tradução para o português e, para dizer a verdade, acho que não faz muita falta.

Continue Lendo

O BRASIL ESTÁ COM ÓDIO DO BRASIL OU KAROL CONKÁ NÃO É ODETE ROITMAN

Karol Conká: rapper foi eliminada do reality global com 99,17% dos votos do público (Foto: Divulgação/ TV Globo)

Por Ivana Bentes

Sempre existiu uma cultura e economia do ódio no Brasil, aliás, faz parte da nossa história dos assujeitamentos, da história da escravidão e da estrutura patriarcal essa construção de inimigos que são desumanizados e demonizados – o que permite odiá-los sem culpa.

Podemos dizer que o ódio virou um modulador de relações em um cenário caótico e incerto, em que rivalidades e disputas de todo tipo se sobrepõem ao que seria uma luta coletiva por direitos.

No Brasil, vivemos uma espantosa ascensão de discursos de ódio contra direitos e conquistas recém adquiridos, como se direitos fossem privilégios reversos. Ódio aos negros “privilegiados” pelas cotas raciais nas universidades, ódio aos pobres “privilegiados” pelo Bolsa Família, ódio às mulheres “privilegiadas” por serem protegidas por lei contra a violência doméstica e familiar, ódio renovado aos grupos LGBTQI+  pela criminalização da LGBTfobia.

Continue Lendo

DENTRO DE UM INFERNO, ALGO DO PARAÍSO NÃO SE PERDEU. Por Leonardo Boff

Se olharmos os cenários mundiais, temos a impressão de que a dimensão de sombra, o impulso de morte e a porção demente tomou conta das mentes e dos corações de muitas pessoas.

Particularmente em nosso país, criou-se até o “gabinete do ódio”onde grupos maus maquinam maldades, calúnias, distorções e todo tipo de perversidades contra seus adversários políticos, feitos inimigos que devem ser liquidados senão fisicamente, pelo menos simbolicamente.

Continue Lendo

TALVEZ A CONSEQUÊNCIA MAIS NEFASTA DO ÓDIO SEJA O APARECIMENTO DO POPULISTA

O ódio não admite hesitações, interpretações alternativas ou neutralidades, quem não estiver conosco é contra nós – Imagem : Líbero

Por Drauzio Varella

Ódio é uma emoção duplamente negativa. Quando se expressa, faz mal contra quem se dirige, enquanto envenena aquele que o sente.

Na cadeia, tratei de uma moça que vou chamar de Maria, irmã mais velha de uma menina de 15 anos estuprada e esfaqueada na região genital pelo segurança de uma construção, que fugiu depois do crime. Maria ficou tão revoltada que largou o namorado, os amigos e abandonou o emprego de secretária para se dedicar, em tempo integral, à caça do estuprador.

Continue Lendo

PARTIDÁRIOS DE HITLER COMEÇARAM QUEIMANDO LIVROS. DEPOIS, PESSOAS.

Montagem:Blog do Valentin

Temos visto certos acontecimentos que fazem hoje, parecer “normais”. Grupos fanáticos defendem a violência contra pessoas, pregam ditadura, desrespeitam normas de saúde pública promovendo carreatas e concentrações públicas, sem qualquer punição.

Muitos aprovam, apoiam e acham normal. Nas redes sociais multiplicam-se “likes” de simpatia.

A história está repleta de exemplos de iniciativas que pareciam “inocentes”.

Thomas Paine, lembra que ” o hábito de não pensar que uma coisa esteja errada, dá-lhe uma aparência de estar certa”

As estações vão se passando e um governo autoritário, com intenso apoio da mídia conservadora e de igrejas nada cristãs, vão tornando atos criminosos em coisas banais. O mesmo Paine alerta: ” O tempo faz mais convertidos que a razão”

Valentin Ferreira

Continue Lendo