DE LUTERO AOS NEOPENTECOSTAIS: COMO OS EVANGÉLICOS ATRAEM TANTA GENTE?

Congresso na Igreja Avivamento da Fé (Fotos: Marcelo Hide/ Fotos Públicas)

Por Rafael Rodrigues da Costa* / Le Monde Diplomatique

No Brasil, a tese mais conhecida sobre o crescimento evangélico é, evidentemente, o neopentecostalismo, categoria sociológica criada para observar a “nova onda” que teria surgido no interior do movimento evangélico ao final do século XX, mas que ganha força sobretudo a partir dos anos 2000. Entre as suas características principais, estariam a “guerra espiritual”, a “teologia da prosperidade” e a forte presença nos meios de comunicação e na política partidária

Há quinhentos anos, o monge agostiniano Martinho Lutero era excomungado pela Igreja Católica. O episódio era a cena final de uma longa série de conflitos entre a hierarquia da igreja romana e um grupo de revoltosos alemães, que culminou na maior cisão do cristianismo ocidental, a chamada Reforma Protestante.

Continue Lendo

REFORMA PROTESTANTE É LEMBRADA PELO SENADO

Postado por Valentin Ferreira

Gravura representa os principais reformadores da Igreja, ao lado de Martinho LuteroLutero e os reformadores

Por Deutsche Welle Lut

O Senado celebrou os 500 anos da Reforma Protestante em sessão especial realizada nesta segunda-feira (30/10). O movimento iniciado em 31 de outubro de 1517, quando o monge agostiniano Martinho Lutero divulgou as 95 teses com que criticava a conduta da Igreja Católica. Segundo a lenda, elas teriam sido afixadas na porta da igreja de Wittemberg, na Alemanha.

Martinho Lutero, o monge que revolucionou o mundo

Durante a solenidade, religiosos e senadores enfatizaram a luta de Lutero pela educação e a igualdade. “Lutero foi um visionário porque, há 500 anos, ele defendia que a mudança da sociedade viria a partir da educação”, disse a senadora Ana Amélia (PP-RS), segundo a Agência Senado.

O pastor Dalcido Gaulke, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), lembrou que uma das grandes contribuições de Lutero foi a defesa da livre interpretação da Bíblia, até então restrita a membros do clero. “O grande legado é a palavra de Deus e a alfabetização para que homens e mulheres pudessem ler a sagrada escritura”, afirmou.

Mais informações:Deutsche Welle

Continue Lendo