UÉ, PARA GERAR EMPREGO PRECISA TIRAR DINHEIRO DE DESEMPREGADOS?

Postado por Blog do Valentin

Por Valentin Ferreira

A proposta de geração de emprego para os jovens no chamado “emprego verde amarelo”  pode f**er  de verde amarelo os desempregados que terão descontos de 7,5% nos pagamentos do seu seguro desemprego.

É quase certo que o Congresso reduzirá a pó a proposta , já que o desgaste político será inevitável. Abaixo reproduzo o  artigo de Kennedy Alencar, com mais argumentos sobre a proposta.

Congresso deve derrubar pedágio de desempregados para gerar empregos

O Congresso Nacional pretende derrubar a cobrança de contribuição previdenciária de 7,5% de trabalhadores que recebem o seguro-desemprego. Essa previsão consta da MP (Medida Provisória) 905, editada pelo presidente Jair Bolsonaro a fim de criar o programa “Emprego Verde e Amarelo” para jovens entre 18 e 29 anos.

Há no Congresso o sentimento de que é injusto cobrar de desempregados a cobertura da desoneração (redução de tributos) de empresas para que elas gerem empregos. Não faz sentido criar emprego cobrando um pedágio dos mais pobres e dando benefícios aos mais ricos.

Continue Lendo

MINISTRO CONFIRMA QUE GOVERNO ESTUDA USAR O FGTS NO LUGAR DO SEGURO-DESEMPREGO

Por: Valentin Ferreira / Via Domtotal
Governo quer usar dinheiro do próprio cidadão para quitar parcelas do seguro-desemprego
Governo quer usar dinheiro do próprio cidadão para quitar parcelas do seguro-desemprego (Beto Barata/PR)
Nova proposta do Governo Temer pode prejudicar ainda mais o trabalhador que for demitido.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou nesta sexta-feira (23) que o governo estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A medida foi divulgada pelo jornal O Globo e, segundo Meirelles, está em “fase embrionária”.

Segundo a reportagem, o governo pretende usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador, substituindo o seguro-desemprego. O valor mensal seria equivalente ao último salário recebido pelo empregado. Após esse período, se permanecer sem colocação, o trabalhador poderia dar entrada no seguro-desemprego e receber o restante do saldo do FGTS.

Continue Lendo