UMA SOCIEDADE DOENTE. E NÃO É DE HOJE

Richard Kozul-Wright, da Unctad, uma agência do ONU para o comercio e desenvolvimento

A TEMPESTADE COMPLETA / Richard Kozul-Wright

Preferi intitular a atual tempestade de completa, ao invés de perfeita, por considerar impróprio atribuir-se perfeição (mesmo negativa) a uma tragédia.
Vivemos uma tragédia mais econômica do que epidêmica, e o mais grave é que quem paga o ônus dessa situação são os mais pobres, ainda que a pandemia não exclua os ricos da contaminação virótica. Nisso ela não é seletiva.
À crise econômica mundial que vinha sendo anunciada para 2020 por organismos capitalistas internacionais como a Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico e o Fundo Monetário Internacional, se juntou a paralisia das transações comerciais internacionais causada pela pandemia, agravando o quadro de recessão capitalista de modo acentuado.

Continue Lendo

ARISTÓTELES: FELICIDADE COMO FIM DAS AÇÕES HUMANAS

Postado por Blog do Valentin

Em “Ética a Nicômaco”, Aristóteles defende que a felicidade é 1) o maior bem desejado pelos homens e 2) o fim das ações humanas. Vejamos agora um passo a passo para entender como ele formula esse pensamento.

1) O bem é aquilo a que todas as coisas tendem” (Aristóteles, 1973, p. 249).

Podemos ver aqui que a filosofia aristotélica é teleológica, ou seja, está orientada por uma finalidade (telos, em grego, significa “fim”). Na “Ética a Nicômaco”, a finalidade é identificada como o “bem”, ou seja, dizer que todas as ações tendem a um fim é o mesmo que dizer que todas as coisas tendem a um bem.

Continue Lendo

CARTA ABERTA AO HUMANO BRASILEIRO, Por Luís Fernando Praga

Postado por Valentin Ferreira

Racionalmente, enquanto ser humano, não posso duvidar da humanidade de quem já desprezou metade dos seres humanos do Brasil, nem da humanidade de quem já demonstrou e demonstra ódio profundo por determinados seres humanos do Brasil e do mundo.

Não posso duvidar da humanidade dos que exigem uma “justiça” arbitrária e tirana para alguns, mas não querem que essa mesma “justiça” torta recaia sobre si próprios.

Mesmo que não vejam seres humanos, mas criaturas inferiores, naqueles a quem odeiam; mesmo que se orgulhem de seu ódio e de seus preconceitos, eu não devo seguir o exemplo da ignorância e deixar de tratá-los como seres humanos. Apesar de alguns discursarem e agirem de forma desumana, todos somos humanos e imperfeitos.

Continue Lendo