ALEXANDRE GARCIA: EXEMPLO DE IRRESPONSABILIDADE PARA A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Foto: YouTube/Reprodução

Por: Alexandre Freita Campos/ Observatório da Imprensa

Muito já se falou sobre o papel do jornalismo científico e dos jornalistas para a difusão de informação precisa e de qualidade, principalmente desde o ano passado, quando o enfrentamento à pandemia reforçou a discussão sobre a importância da divulgação científica. Dependendo da gravidade da situação, informações equivocadas ou mentirosas podem até matar, e, lamentavelmente, alguns profissionais do jornalismo parecem não se dar conta da responsabilidade que possuem e, em vez de combaterem as notícias falsas, são eles próprios quem as disseminam.

Mas será que agem assim somente por desconhecimento? O vídeo publicado pelo jornalista Alexandre Garcia em dezembro do ano passado já vale como um bom case do que não se deve fazer em se tratando de divulgação científica [1]. Um case de irresponsabilidade, um mau exemplo, não só pelo conteúdo do vídeo, mas pelo contexto.

Continue Lendo

UM PAÍS EM DISSOLUÇÃO

Por Fernando Brito

Se nos deixarmos envolver na rotina dos escândalos -não raro mais de um por dia – que se sucedem no país é possivel que deixemos de ver o essencial do que está ocorrendo.

E o fato é que somos um país em dissolução, em todos os campos da vida coletiva.

A epidemia é, sem dúvidas, o mais dramático e terrível, pelas vidas que nos rouba, mas não é o único.

Continue Lendo

POR QUE O BRASIL DE OLAVO E BOLSONARO VÊ EM PAULO FREIRE UM INIMIGO

Postado por Blog do ValentinBiógrafo analisa hostilidade contra o educador, em alta nos últimos anos

Por Sérgio Haddad /Da Folha S.Paulo

[resumo] Biógrafo de Paulo Freire analisa como o principal educador brasileiro, autor de método de alfabetização que estimula alunos a refletirem sobre sua realidade, passou a ser visto como inimigo público e responsabilizado por maus resultados educacionais do país.

Em 29 de maio de 1994, em longa entrevista publicada no caderno “Mais”, da Folha, Paulo Freire comentou as razões de seu método não ter erradicado o analfabetismo no Brasil.

“Em tese, o analfabetismo poderia ter sido erradicado com ou sem Paulo Freire. O que faltou foi decisão política. A sociedade brasileira é profundamente autoritária e elitista. Nos anos 60 fui considerado um inimigo de Deus e da pátria, um bandido terrível.

Continue Lendo